Links de Acesso

2013: Ano particularmente difícil para a Guiné-Bissau, dizem analistas

  • Lassana Casamá

A agenda que se prevê para 2013 vai uma vez mais colocar o país à prova.

O ano que agora começa reserva à Guiné-Bissau uma agenda bem pesada: eleições gerais conforme a carta de transição política e a reforma nas forças armadas assumidas pela CEDEAO.


A agenda que se prevê para 2013 vai uma vez mais colocar o país à prova tal como referiu à VOA, João de Barros, o conceituado editor do jornal “O Expresso”. Segundo aquele jornalista guineense, o ano de 2013 vai ser um ano particularmente difícil visto que é um ano dependente da agenda de 2012.

Em consequência do golpe de estado de 12 de Abril, disse o nosso interlocutor, foram interrompidas as eleições presidenciais , acrescentando que é uma agenda que está nas Nações Unidas mas que é também uma agenda interna e todos esses factores que geraram a realidade que se sucedeu ao golpe ficam por ser resolvidos no ano que entra.

“Estou convencido, disse João de Barros, que 2013 será o ano da clarificação política e militar”.

Ouça a entrevista conduzida pelo Lassana Cassamá perspectivando 2013 na Guiné-Bissau.
XS
SM
MD
LG