Links de Acesso

Guiné-Bissau: Governo de transição cada vez mais isolado

  • Redacção VOA

O governo de transição continua a tentar sem sucesso participar na cimeira da francofonia.

O governo de transição da Guiné-Bissau continua a tentar sem sucesso participar na cimeira da francofonia, no fim-de-semana, na República Democrática do Congo. De facto não obteve até agora qualquer resposta daquela organização.

Uma fonte governamental guineense deu a entender à VOA que que a Guiné-Bissau não estará presente na cimeira de Kinshasa. Recordamos que o país foi suspenso da organização dos países francófonos desde o golpe de estado de 12 de Abril passado.

O governo guineense pretendia que o presidente de transição, Serifo Nhamadjo, pudesse estar presente na cimeira que decorre, sábado e domingo em Kinshasa.

A Guiné-Bissau tem um governo e um presidente de transição saídos de um golpe de estado levado a cabo por militares em Abril, mas as novas autoridades não têm praticamente o reconhecimento internacional, salvo de algumas organizações sub-regionais africanas.

Recentemente o governo da Guiné-Bissau sofreu uma outra importante derrota diplomática quando a ONU se recusou a dar a palavra ao presidente de transição, Serifo Nhamadjo, na Assembleia Geral daquela organização em Nova Iorque.

Com efeito o orador representando a Guiné-Bissau à sessão da Assembleia Geral foi o presidente deposto, Raimundo Pereira, deitando por terra as aspirações do governo saído do golpe de ser reconhecido internacionalmente.

A Comunidade de Países de Língua Portuguesa, CPLP triunfou assim nas suas iniciativas diplomáticas para isolar os golpistas e impedir Nhamadjo de falar naquela reunião na qual participaram centenas de chefes de estado e de governo.
XS
SM
MD
LG