Links de Acesso

Barack Obama "cauteloso" em Dallas

  • Redacção VOA

Discurso tenta acalmar tensões no país.

O Presidente americano encontra-se nesta terça-feira, 12, em Dallas para participar numa homenagem aos cinco agentes da polícia mortos a tiro na semana passada por um veterano de guerra afro-americano.

A visita é considerada particularmente difícil no momento em que há uma agudização de divisões raciais no país.

Barack Obama passou o dia de ontem reunido com os seus conselheiros e assessores com os quais discutiu o discurso que fará hoje que, segundo fontes da Casa Branca, tem como objectivo consolar as famílias dos cinco policias mortos e, ao mesmo tempo, acalmar os receios à escala nacional de que as relações raciais criem mais clivagens, na sequência da morte de dois afro-americanos pela polícia nas cidades de Luisiana e Dallas e dos cinco polícias.

Obama encurtou uma viagem que realizava à Europa para viajar a Dallas.

“Não penso que os afro-americanos ou latinos da era antes dos smart phones não estivessem cientes de que há provas de desequilíbrio racial no nosso sistema de justiça criminal” disse o Presidente há dias, acrescentando que “isso está bem documentado e tem sido a experiencia de muitos”.

Os últimos incidentes provocaram manifestações através do país que culminaram na emboscada em Dallas contra os agentes da policia.

Barack Obama afirmou que não se pode comparar a situação racial da América de hoje com aquela do passado e reiterou não ser verdade que a situação seja a mesma dos anos de 1960.

A versão dos afro-americanos

O certo é que profundas divisões permanecem.

“As pessoas negras não têm um tratamento justo. Fomos escravos. Éramos vitimas da segregação há menos de 50 anos. Temos há pouco tempo o direito de votar. Temos um Presidente negro mas isso não é suficiente. Precisamos de mais mudanças”, disse Eddie Willis, manifestante em Chicago.

As forças policiais em todo o país dizem que o seu trabalho é agora mais perigoso do que nunca e que há grandes pressões sobre a corporação.

Pressão sobre a polícia

O chefe da polícia de Dallas, David Brown, afro-americano, reconhece que pede-se demasiado aos agentes da ordem.

“Todas as falhas da sociedade são atribuídas aos polícias para resolverem. Não há dinheiro para lidar com doenças mentais, os polícias que resolvam. Não há dinheiro para lidar com questões do vício das drogas, os policias que resolvam. Aqui em Dallas há um problema com cães abandonados nas ruas. Os polícias que apanhem os cães. As escolas não funcionam, os policias que resolvam”, disse Brown.

Na deslocação hoje a Dallas, o Presidente Obama faz-se acompanhar do seu predecessor, George W. Bush.

A comprovar as clivagens,o proeminente jornalista afro-americano, Tavis Smiley, afirmou que Obama deveria também deslocar- se a Luisiana e Minesota, onde dois negros foram mortos pela polícia em situações muito criticáveis.

Há sinais evidentes que tanto Barack Obama como o futuro Presidente e os responsáveis têm um árduo caminho pela frente nos próximos anos.

XS
SM
MD
LG