Links de Acesso

Autoridades cercam área de confrontos entre polícia e seita religiosa no Huambo (ACTUALIZADA)

  • Redacção VOA

Cidade do Huambo

Cidade do Huambo

Activista diz que há feridos escondidos das autoridades que continuam com "perseguições"

As autoridades militares e policiais angolanas isolaram a zona na província do Huambo onde há uma semana tiveram lugar confrontos entre a agentes da polícia e milhares de membros de seita religiosa A Luz do Mundo, também conhecida por Kalupeteca, nome do seu líder.

Nove policias morreram e a Unita denunciou a morte de mais de 700 pessoas, o que tem sido negado pelas autoridades.

Em entrevista à VOA, o activista do direitos humanos e presidente do Fórum Universitário Ângelo Kapuacha, que está no Huambo a acompanhar a situação, diz não poder confirmar a dimensão da tragédia porque a zona foi isolada e nem os familiares podem entrar nem os que estão na área podem sair.

Kapuacha afirmou haver informações de que centenas de pessoas foram mortas nos "dois primeiros dias" do confronto e que as "perseguições" continuam.

Jornalistas, activistas de direitos humanos e familiares foram proibidos pelas autoridades de entrar na zona, desconhecendo-se o que se passa.

Kapuacha disse estar convencido que as autoridades estão a preparar uma "estratégia" para esconderem o que se assou e avisou que feridos estão escondidos na zona sem tratamento.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG