Links de Acesso

Autonomias em Moçambique suscitam debate

  • Ramos Miguel

Afonso Dhlakama(esq) e Filipe Nyusi(dir)

Afonso Dhlakama(esq) e Filipe Nyusi(dir)

Na legislatura anterior, a Renamo rejeitou uma proposta da Frelimo para uma emenda constitucional

Em Moçambique, as opiniões divergem quanto à necessidade de se proceder ou não à revisão da Constituição da República para acomodar as exigências da Renamo que defende a criação de regiões autónomas. Há quem considere, no entanto, que isso já está previsto na lei fundamental.

Na legislatura anterior, a Renamo rejeitou uma proposta da Frelimo para uma emenda constitucional, mas juristas dizem que, neste momento, se se quiser atender ás suas preocupações, isso impõe-se.

O jurista Baltazar Fael diz que o país tem uma Constituição e leis que definem a forma de organização politica e territorial, pelo que é preciso ter em conta todos estes aspectos na abordagem que se fizer às reivindicações da Renamo.

Por seu turno, o professor catedrático e constitucionalista Giles Cistac entende que "se estivermos a desenhar um modelo sobre a figura duma região autónoma, está claro que este modelo não consta da Constituição, e então, o passo a seguir será o de fazer a revisão constitucional".

Cistac esclareceu que se o anteprojecto da Renamo se circunscrever apenas à autonomia das províncias, "não é necessário mexer na Constituição, porque esta prevê que o legislador é competente para estabelecer autarquias locais de nível superior ao dos municípios".

Na sua opinião, a província vai ter autonomia administrativa, financeira e patrimonial como está previsto na Constituição, realçando depois que "se estivermos na lógica de de uma autarquia local, esta vai-se integrar, perfeitamente, num Estado unitário, e o Governo vai ter por missão a tutela administrativa, ou seja, vai fazer a fiscalização da legalidade praticada pela futura autarquia e em matéria de implementaçao da política nacional".

Giles Cistac acredita que se o anteprojecto da Renamo for aprovado, "pelo menos o problema das reivindicações territoriais que temos vindo a assistir desde as primeiras eleições multipartidárias até hoje pode ser resolvido, mas não sei se vão ser resolvidas as outras reivindicações politicas do líder da oposição".

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG