Links de Acesso

Lisboa: Tudo a Postos Para Cimeira da NATO

  • Eduardo Ferro

Lisboa: Tudo a Postos Para Cimeira da NATO

Lisboa: Tudo a Postos Para Cimeira da NATO

Começa amanhã em Lisboa a cimeira da NATO. Na agenda de trabalhos: o futuro da Aliança Atlântica, o seu papel no Mundo e o seu relacionamento com a Rússia.

Começa amanhã em Lisboa a cimeira da NATO. Na agenda de trabalhos: o futuro da Aliança Atlântica, o seu papel no Mundo e o seu relacionamento com a Rússia.
A Aliança Atlântica colocou a sua reputação em jogo no conflito no Afeganistão. Neste momento a NATO mantém naquele país mais de 130 mil soldados provenientes de 28 paises membros. Na sua maior parte são americanos, e, tal como nos referiu Jonathan Eyal do “Royal United Services Institute” de Londres, a NATO seguirá a liderança americana. “Se o presidente americano decidir no próximo ano que se registaram progressos suficientes, disse ele, suponho que a maior parte dos países da aliança se manterão no terreno.”
Os líderes mundiais deverão debater em Lisboa os recentes desaires dos ataques aéreos da NATO contra supostos militantes islâmicos no Afeganistão. O presidente afegão Hamid Karzai criticou os ataques aéreos nocturnos que segundo ele estão a minar o apoio á guerra contra os talibãs.
Na mesa deverá estar também o plano para por termo às operações de combate no Afeganistão em 2014. A Rússia estará também no topo da agenda. O presidente russo Dmitri Medvedev desloca-se a Lisboa, e, o secretário-geral da NATO, Anders Rasmussen afirmou que a Rússia e a NATO cooperarão na questão do Afeganistão.“ Acredito, disse Rasmussen, que a Rússia partilha o ponto de vista de que chegou a altura de pararmos com a preocupação mútua. Chegou a altura de trabalharmos em conjunto e vamos fazê-lo.”
O relacionamento da Rússia com a NATO começou em 1989 depois da queda do muro de Berlim. Contudo o mesmo não tem sido fácil devido às divergências a respeito do alargamento da NATO e da expansão do seu sistema de defesa anti-mísseis. Oksana Antonenko do Instituto Internacional para a Segurança, afirma contudo que esse relacionamento deverá ser reparado. “Existe, disse ela, um empenhamento muito sério da administração Obama para caminharmos para um melhor relacionamento com a Rússia. Acho que as coisas estão a mudar.”
A NATO está também a mudar. A sua nova estratégia destina-se a posicioná-la para o século 21 e põe em destaque as prioridades em matéria de segurança cibernética e de defesa anti-míssil.
Para muitos analistas, a cimeira de Lisboa será um acontecimento histórico na medida em que marcará o aparecimento de uma Aliança Atlântica modernizada e renovada. Tudo isso, claro está, com o Afeganistão em pano de fundo e tendo em mente que a percepção de fraqueza nessa frente poderia afectar as aspirações futuras da NATO.

XS
SM
MD
LG