Links de Acesso

Preconceitos travam emprego dos africanos no Brasil


Preconceitos travam emprego dos africanos no Brasil

Preconceitos travam emprego dos africanos no Brasil

Grande parte dos refugiados africanos são de Angola e deparam-se com preconceitos raciais

Refugiados que vivem no Brasil continuam a enfrentar dificuldades em serem integrados no mercados de trabalho.

A maior parte dos refugiados no Brasil são provenienntes de Africa e grande parte deles vêm de Angola.

Contudo preconceitos continuam a ser o grande obstáculo para que os refugiados consigam trabalhar no Brasil e são o principal desafio a ser vencido pelo programa recém-lançado para facilitar a colocação profissional para quem vem tentar reconstruir a vida no território brasileiro.

Uma parceria entre o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) no Brasil, organizações não governamentais e empresas resultou em um projeto para facilitar a inserção de refugiados no mercado de trabalho brasileiro.

O Programa de Apoio para Recolocação dos Refugiados (Parr) conta com um banco de dados virtual para que estrangeiros nessa situação ofereçam seus currículos a empresas privadas, cadastradas para avaliar os candidatos e preencher suas vagas.

Segundo o alto comissário da ONU para Refugiados, Andrés Ramirez, o que é necessário agora é que as empresas vençam o preconceito contra refugiados, muitas vezes vistos, no Brasil, como foragidos ou fugitivos.

“No português a palavra refugiado, às vezes, dá a entender que é uma pessoa foragida, fugitiva que abandonou a cadeia. Então, achamos que esse projeto pode ajudar a combater essa ideia equivocada. Nós continuamos fazendo outras atividades para tentar convencer a população de que os refugiados são pessoas normais, vítimas de perseguição, mas pessoas de bem tentando reconstruir a vida. São vítimas de perseguição nos seus países de origem e que agente tem que ajudar,” explica.

Números da Organização das Nações Unidas mostram que 64% dos refugiados no Brasil são africanos.

Entre as cerca de quatro mil pessoas, de 77 nacionalidades, que se refugiam no território brasileiro atualmente, mais de 2,8 mil têm como origem a África, sobretudo Angola. O representante do Acnur não acha que esses milhares de refugiados deixarão de conseguir empregos por causa da falta de qualificação.

“O Brasil está crescendo demais e com o crescimento econômico está sendo muita fonte de emprego de todos os níveis. Nós temos aqui refugiados de todo tipo de qualificação e considerando que o país precisa para seu desenvolvimento de mão de obra de vários níveis acho que isso não seria tanto o problema,” aposta.

O Acnur lembra aos empregadores que o Brasil tem uma legislação muito avançada que permite, por exemplo, que o refugiado consiga os documentos legais para trabalhar. “Isso é também uma vantagem.

São pessoas que têm carteira de trabalho, CPF, com toda a documentação necessária. Então, nesse sentido o empregador não tem que batalhar para conseguir a regularização das pessoas,” lembra Andrés.

XS
SM
MD
LG