Links de Acesso

Moçambique celebra 19 anos de paz


Moçambique celebra 19 anos de paz

Moçambique celebra 19 anos de paz

Tudo a postos em Moçambique para as comemorações dos 19 anos dos acordos de paz que puseram termo à guerra civil.

Tudo a postos em Moçambique para as comemorações dos 19 anos dos acordos de paz que puseram termo à guerra civil.

O acordo geral de paz acabou com o conflito armado que já durava 16 anos e somava mais de um milhão de mortos, centenas de milhar de deslocados internos e três milhões de refugiados nos países vizinhos, estradas, pontes, escolas e unidades sanitárias destruídas.

A economia ficou literalmente paralisada, colocando Moçambique na cauda dos países mais pobres do Mundo.

Face à pressão interna e internacional, exercida sobretudo pela Igreja, o Governo da Frelimo acabou aceitando dialogar com a Resistência Nacional de Moçambique apoiada pelo então regime do Apartheid, da vizinha África do Sul.

As conversações duraram cerca de dois anos e eram mediadas pela Comunidade de santo Egídio, da Igreja Católica.

A 4 de Outubro de 1992, o então chefe do estado moçambicano, Joaquim Chissano, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, assinaram o acordo geral de paz, em Roma, na capital italiana, pondo fim ao conflito armado e abrindo caminho para a realização das primeiras eleições multipartidárias, que tiveram lugar dois anos depois.

Desde Outubro de 1992 até hoje Moçambique tem estado a viver uma paz efectiva e é considerado um exemplo mundial de sucesso pós-conflito.

Mas de vez em quando, sobretudo em períodos eleitorais, tem havido sinais de ameaça de retorno à guerra, com a Renamo a rejeitar os resultados das eleições alegando fraude.

Hoje, aos 19 anos de paz, o clima é considerado tenso, porque a Renamo anunciou que vai instalar quartéis em todo o País para os seus antigos guerrilheiros alegadamente expurgados das forças armadas formadas nos termos do Acordo Geral de Paz.

Ouça a reportagem do Simeão Pongoane.

XS
SM
MD
LG