Links de Acesso

Obama propõe plano de criação de empregos orçado em 300 mil milhões de dólares

  • Paulo Oliveira

Presidente Barack Obama em Detroit

Presidente Barack Obama em Detroit

Obama: Vamos por a América novamente a trabalhar

Tendo como pano de fundo uma taxa de desemprego elevada e a ansiedade nacional sobre a fraqueza da economia, o presidente Barack Obama vai discursar o Congresso dos Estados Unidos para apresentar uma proposta de criação de postos de trabalho.

Varias componentes do conjunto de medidas de crescimento económico e de criação de postos de trabalho foram divulgadas em antecipação ao discurso do presidente.

Espera-se que envolva 300 mil milhões de dólares em reduções de impostos e novos programas destinados a criar as condições para um rápido crescimento dos postos de trabalho. Obama deverá apelar à prorrogação das reduções de impostos que estão a expirar, propondo projectos de melhoria da infra-estrutura, bem como medidas para assistir as localidades e os governos estaduais em dificuldades financeiras.

O desemprego nos Estados Unidos permanece acima dos nove por cento, ameaçando as hipóteses de re eleição de Obama no próximo ano. Entre as medidas para fomentar a contratação, o presidente deverá apelar à extensão de benefícios para os desempregados e propor novos incentivos fiscais para as pequenas empresas.

O discurso do presidente será feito perante o Congresso que os Americanos elegeram no sufrágio intercalar de 2010, embora Obama com frequência insista em que os Americanos não votaram para aquilo que denomina de governação ineficiente.

Obama espera cativar os Republicanos com o plano, mas os analistas antevêem um outro propósito – fazer com o que o Congresso partilhe mais o fardo político da criação de postos de trabalho bem como o peso da responsabilidade se os legisladores não actuarem.

O secretário de imprensa da Casa Branca Jay Carner indicou que Obama vai deixar claro que o seu plano mereceu anteriormente de apoio bi partidário.

Mitch McConnell é líder do Partido Republicano no Senado.

“O presidente pode tentar o que quiser para responsabilizar os problemas económicos nos seus adversários políticos, ou os seus antecessores, ou em desastres naturais. Na realidade, e como ele próprio disse, ele é responsável pelo que se passa no decurso do seu mandato”.

Xavier Becerra, um representante democrata indicou desejar que o Presidente apresente as propostas mais audazes que sejam possíveis.

Obama fez aliás a mesma proposta na intervenção efectuada na passada segunda-feira no comício do Dia do Trabalho, em Detroit, estado do Michigan.

“Existe trabalho para ser feito, e existem trabalhadores para o fazerem. Os trabalhadores estão de acordo, os empresários estão de acordo; precisamos que o Congresso esteja de acordo. Vamos por a América novamente a trabalhar.”

Resta saber se um Congresso profundamente dividido que enfrenta ainda antes do final do ano decisões importantes sobre a redução do défice e da divida publica, será capaz de concordar com o presidente Obama no plano da criação de postos de trabalho e de crescimento económico.

XS
SM
MD
LG