Links de Acesso

Revolta Popular é uma possibilidade em Angola - Marcolino Moco

  • António Capalandanda

Revolta Popular é uma possibilidade em Angola - Marcolino Moco

Revolta Popular é uma possibilidade em Angola - Marcolino Moco

Redes sociais na internet permitem aumentar dimensão do descontentamento com violações de direitos.

O antigo primeiro ministro de Angola, Marcolino Moco, disse em Benguela que, o país pode enfrentar uma revolta popular a semelhança do que ocorreu na Tunísia, Egipto e na Líbia, caso o MPLA, partido no poder, não efectue profundas reformas democráticas.

Em declarações a Voz da América, o antigo secretário-geral do partido que governa Angola, referiu que apesar da esfera pública angolana ter se revelado turbulenta e traumatizada por muito tempo devido as repressões sistemáticas do regime contra as manifestações, a juventude angolana tem demonstrado um elevado nível de consciência política.

Para o académico, as revoltas desencadeadas no Norte de África têm vindo a estimular a resistência civil no país, realçando o papel desempenhado pela internet na luta dos jovens contra o regime.

Segundo a fonte, por meio das redes sociais como Facebook e Twitter, os jovens têm organizado protestos, convocam outras pessoas e aumentaram a abrangência das críticas contra o governo angolano em relação as violações dos direitos fundamentais.

Moco defendeu a necessidade das autoridades angolanas se conformarem com as leis internas e tratados internacionais para se evitar uma nova revolução.

Sublinhou ainda que qualquer país onde as autoridades queiram enveredar por aquilo que chama de fechadura, "arrisca-se mais tarde ou mais cedo a ter consequências semelhantes daquilo que se observa na África do Norte.”

XS
SM
MD
LG