Links de Acesso

Namibe: PIC trabalha em condições deploráveis

  • Armando Chicoca

Faustino Mumbika, secretario provincial da UNITA no Namibe

Faustino Mumbika, secretario provincial da UNITA no Namibe

A lamentação é do secretário provincial do Namibe da UNITA, Faustino Mumbika, no quadro da acção de fiscalização às instituições do Estado, que desta vez foram resumidas aos sectores da Polícia Fiscal e Investigação Criminal.

A lamentação é do secretário provincial do Namibe da UNITA, Faustino Mumbika, no quadro da acção de fiscalização às instituições do Estado, que desta vez foram resumidas aos sectores da Polícia Fiscal e Investigação Criminal.

«Na Direcção Provincial de Investigação Criminal, encontramos quadros bem formados, dotados de capacidade, cheios de vontade de trabalhar, mas lamentavelmente, porém sem o mínimo de condições de trabalho. Encontramos mesas de trabalho obsoletas, computadores não existem, enfim, as próprias instalações arrebentadas pelas costuras, dois ou três chefes de departamentos a trabalharem no mesmo compartimento, sem espaço, quando até ao redor da DPIC existe espaço baldio que bem poderia ser aproveitado para a construção de instalações condignas para esta instituição que muito trabalho dedica a província», descreveu.

Faustino Mumbika prometeu levantar a questão no fórum do governo da província, por considerar que ao deixar as coisas andar como andam em nada estaremos a fazer, segundo o político, quando exigimos dedicação dos quadros ao trabalho e não há condições para exercerem condignamente a sua actividade.

Quanto à Polícia Fiscal, segundo Faustino Mumbika, é um sector policial bem dotado de organização, atendimento humanizado, mais ainda assim, também os especialistas da Polícia Fiscal necessitam de meios adequados para poderem exercer com profissionalismo a fiscalização na costa marítima.

«Fomos bem recebidos, há organização, mostraram-nos inclusive casas de banho, equipamento informático em dia, foi gratificante a nossa constatação daquele sector», frisou.

Já na Direcção Provincial da Polícia de Investigação Criminal do Namibe, constatou-se o empenho dos especialistas, mas, mergulhados num mar de dificuldades, que começam desde a falta de computadores, lugar condigno para o exercício da actividade de cada um dos departamentos e ausência de outros meios de trabalho, inclusive não há naquela instituição casas de banho para acomodar a população que aflui no local.

Um apelo vai para o governo da província do Namibe e entidades centrais do Estado, para ajudar resolver o défice que segundo o político, em nada dignifica a imagem da polícia e sobretudo dos quadros profissionalmente bem capacitados e motivados no trabalho.

O secretário provincial do Namibe do partido do galo negro promete radiografar outros sectores do estado na província do Namibe.

XS
SM
MD
LG