Links de Acesso

Última Brigada de Combate dos Estados Unidos Deixou o Iraque

  • Paulo Oliveira

Duas semanas antes de terminar o prazo determinado pelo presidente Barack Obama, a última brigada de combate dos Estados Unidos deixou o Iraque.

Fontes do Pentágono salientam que permanecem ainda algumas forças de combate naquele país.

A brigada que durante a madrugada saiu do território iraquiano foi a 4ª brigada de Atiradores da segunda divisão de Infantaria – com o cognome de Stryker –, que estava colocada na base de Abu Ghraib, um dos mais perigosos locais no Iraque, a cerca de 25 quilómetros a oeste de Bagdad.

Cerca de 50 mil soldados dos Estados Unidos permanecem no Iraque, com a tarefa de treinar as forças armadas do país, e ali vão ficar para lá da data de 31 de Agosto – fixada pela Administração de Barack Obama para pôr fim às missões de combate.

Até ao final de 2011 todos os soldados norte-americanos deverão já ter partido do Iraque, segundo o acordo firmado com Bagdad e cujo calendário o Presidente dos Estados Unidos garante será cumprido integralmente.

A saída da brigada de Atiradores Stryker registou-se no final de um dia durante o qual o presidente Obama centrou a atenção na economia americana e no apoio a candidatos do partido democrata.

Uma fonte da administração foi citada como tendo afirmado que as forças de combate tenham sido reduzidas para 50 mil, a missão dos Estados Unidos irá mudar a 31 de Agosto.

Um porta-voz do Pentágono sublinhou que as tropas americanas permaneçam após aquela data terão a capacidade de responder às ameaças militares.

Nas últimas semanas o presidente Obama, o vice-presidente Joe Biden, o secretario da Defesa e outras entidades tem falado com detalhe sobre a mudança do papel da America, todos eles sublinhando o compromisso dos Estados Unidos para com o Iraque.

A transição formal vai cumprir a promessa chave feita pelo presidente Obama de por termo à Operação Liberdade para o Iraque que teve inicio com o presidente Republicano George W Bush.

Ao abrigo de um acordo bilateral com o governo iraquiano, a totalidade das tropas de combate dos Estados Unidos devem deixar o Iraque até ao final de 2011.

Mais de quatro mil e duzentos militares americanos perderam a vida durante a Operação Liberdade para o Iraque, tendo mais de trinta mil outros ficado feridos.

Embora o presidente Obama e outros responsáveis americanos tem destacado para a redução da violência no Iraque, registou-se nas últimas semanas um aumento de incidentes, incluindo um realizado por um bombista suicida que matou dezenas de iraquianos que se encontravam num centro de recrutamento do Exercito.

XS
SM
MD
LG