Links de Acesso

CPLP Põe Condições à Entrada da Guiné Equatorial


CPLP Põe Condições à Entrada da Guiné Equatorial

CPLP Põe Condições à Entrada da Guiné Equatorial

Os chefes de estado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) decidiram abrir negociações para avaliar formalmente a adesão da Guiné Equatorial à organização.

Aquele país apresentara em 20904 a sua candidatura a pretender ser não apenas observador mas membro de pleno direito da Comunidade.

Uma declaração emitida no final da cimeira de Luanda, revela que a CPLP decidiu elaborar um programa de reformas a apresentar ao presidente Teodoro Obiang.

Esse plano requer não apenas a declaração do português como língua oficial do país (o que foi feito há dias) mas medidas para a sua utilização práctica.

Ao contrário de todos os membros actuais da CPLP, a Guiné Equatorial aplica a pena de morte e o seu governo é um frequentemente criticado violador dos direitos humanos.

Na próxima reunião ministerial da CPLP, em data a marcar, serão avaliados os progressos das negociações a conduzir por Angola, novo país presidente da Comunidade.

O presidente Teodoro Obiang, que se apressou a sair de Luanda, disse estar “optimista” apesar do adiamento e condicionamento da admissão do seu país à CPLP. Mas também disse que esta cimeira “não foi” um sucesso para a Guiné Equatorial.

A declaração exige ainda a libertação de Zamora Induta, o chefe do Estado Maior das Forças Armadas da Guiné-Bissau, deposto e preso numa tentativa de golpe em Abril passado.

Esses incidentes forem, descritos como “um grave atentado á ordem constitucional” guineense. Os chefes de estado reiteram a necessidade de respeito pelo princípio da submissão do poder militar ao poder civil.

Decidiram, ainda, manter em Cabo Verde a sede do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, e dar prioridade á divulgação do português.

XS
SM
MD
LG