Links de Acesso

Angola: Sindicalista acusa petrolífera de discriminação

  • José Manuel

*

*

Chevron também acusada de dificultar actividade sindical

Sindicalista acusa Chevron

O Secretário-geral do Sindicato Independente da Cabinda Gulf Oil Company acusou a multinacional americana Chevron, concessionária do Campo petrolífero de Cabinda, de dificultar a actividade sindical na indústria petrolífera de Cabinda e de continuar aplicar uma política salarial discriminatória aos trabalhadores angolanos.

Ambrósio Almeida considerou tal comportamento de uma violação à dignidade laboral e de violar sistematicamente os direitos e liberdades dos trabalhadores.

A Chevron e outras companhias ao serviço da indústria petrolífera continuam a dificultar a instalação de sindicatos no campo do Malongo. Disse Ambrósio Almeida que acrescentou que os sindicatos não funcionam no campo petrolífero.

Almeida disse esperar que o estado tome a mão fiscalizadora da lei por forma a permitir maior respeito e defesa dos direitos dos trabalhadores.

As diferenças salariais no campo petrolífero de Cabinda têm entretanto aumentado o clima de insatisfação no seio dos trabalhadores.

Esta situação tem ameaçado a paralisação da actividade petrolífera em Cabinda. A esse respeito, Ambrósio Almeida pediu para que ministério dos petróleos a encontrar uma plataforma de entendimento no cumprimento das directivas que estabelecem o qualificador de funções e remunerações na industria petrolífera angolana.

Ambrósio de Almeida defendeu não ser normal que num estado democrático e de Direito como Angola se permita o que chamou de banalização dos trabalhadores e a violação de princípio elementares consagrados no regime laboral angolano.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG