Links de Acesso

Mohamed Morsi em colisão com os generais egipcios

  • Margaret Besheer

Contestar uma decisão do Supremo Tribunal Constitucional não tem precedentes no Egipto moderno

Os generais egípcios dissolveram o parlamento

O recentemente eleito presidente egípcio Mohamed Morsi parece encontrar-se em colisão com os poderosos generais do país após ter ordenado ao parlamento para reunir, desafiando um decreto do Supremo tribunal que dissolveu, no mês passado, a legislatura.

O mês passado os generais egípcios dissolveram o parlamento dando sequência a uma decisão do Supremo Tribunal.

O presidente Morsi, que prestou juramento há um a semana, decretou que a legislatura – dominada pelos Islamitas – deve ser convocada até que uma outra seja eleita.

Segundo ele as eleições vão ser efectuadas no prazo de 60 dias da redacção de uma nova constituição e aprovada num referendo, um processo que os analistas dizem poder levar meses.

O anúncio levou o Conselho Supremo das Forças Armadas a reunir de emergência no domingo à noite, e que foi retomado mais tarde.

Ao final desta segunda-feira, o Supremo Tribunal Constitucional revelou que a decisão de dissolver o parlamento era final e obrigatória.

Hafez Abu Saad, um advogado e presidente da Organização de Direitos Humanos egípcia afirma acreditar que presidente deveria agir de uma forma diferente e que criou uma tensão política.

Saad afirma acreditar que poderia ter sido tratada de varias maneiras, mas que consiste num confronto e que pode significar a um a ocorrência do tipo de uma guerra fria entre a presidência, o conselho militar e as forças civis.

Fahmy Howeidi, um colunista independente ressalta que a decisão foi anunciada dias antes da sua primeira visita ao estrangeiro e antes da visita ao Cairo da Secretaria de Estado americana Hillary Clinton.

O advogado Abu Saad refere ainda que a decisão do Presidente Morsi de contestar a decisão do Supremo Tribunal Constitucional não tem precedentes no Egipto moderno – algo que até mesmo Hosni Mubarak, Anwar Sadat e Gamal Abdel Nasser nunca fizeram.

Refere Saad que o presidente jurou respeitar a lei e a constituição e fê-lo perante o tribunal constitucional, e mesmo assim foi o primeiro a violar uma decisão daquele tribunal.

Embora ninguém esperava uma relação fácil entre o exército e um presidente muçulmano conservador, muitos acreditam que acreditavam que Morsi iria avançar com mais cuidado e não iria provocar, tão cedo, uma confrontação com os generais.

XS
SM
MD
LG