Links de Acesso

Vacina para deixar de fumar

  • Ana Guedes
  • Jaime Faria

Bloquear as moléculas da nicotina

Vacina para deixar de fumar

Uma vacina para deixar de fumar

Fumadores com dificuldades de deixar de fumar por causa do poder aditivo da nicotina podem um dia ter a possibilidade de receber uma nova vacina que os ajude a largar o hábito.

Um cigarro médio contem cerca de 4000 químicos diferentes que – quando ardidos e inalados – causam sérios problemas de saúde associados com o fumo. Mas é a nicotina nos cigarros que, tal como outras substâncias aditivas, estimula centros recompensáveis no cérebro e prende os fumadores à rotina agradável mas perigosa.

Ronald Crystal, que chefia o departamento de medicina genética na Faculdade de Medicina de Weill-Cornell, em Nova Iorque, onde investigadores estão a desenvolver a vacina para a nicotina, disse que a ideia é estimular o sistema imune do fumador para produzir antibióticos ou proteínas imunes que destruam a molécula nicotina antes de ela alcançar o cérebro.

Mas o Dr. Crystal acrescentou que os anticorpos à nicotina são muito pequenos e não duram o bastante no sistema circulatório para o sistema imune suster um ataque. Por isso, cientistas pegaram no ADN – o bloco construtor genético – dos anticorpos da nicotina e usaram-no para modificar geneticamente o fígado para os produzir continuamente.

O resultado disse o Dr. Crystal, é um fluxo constante de anticorpos circulando através do sistema sanguíneo do fumador, constantemente para bloquear as moléculas da nicotina.

Por agora, os testes estão a ser feitos em ratinhos e o Dr. Crystal disse que quando a vacina estiver pronta para ser administrada em humanos só será preciso levar uma dose para toda a vida.

A cesariana é necessária no mundo em desenvolvimento

Um novo estudo sugere que pelo menos um procedimento cirúrgico, Cesariana, é uma forma altamente eficaz de melhorar a saúde a um custo razoável em países de desenvolvimento.

Pesquisadores ponderam o valor de fazer partos por cesariana mais acessíveis às mulheres grávidas.

Estima-se que 270.000 mulheres morrem por ano de complicações durante a gravidez.

Uma das mais comuns é o parto obstruído, em que o feto não se pode mover pelo canal de nascimento.

Quando isso acontece, tanto a mãe como o bebê podem morrer.

Mesmo que a mãe sobreviva, ela está em risco de desenvolver fístula obstétrica, o que leva a incontinência e, muitas vezes divórcio, e isolamento social.

Então é um problema real e facilmente solucionável.

Enquanto a mãe chega a um hospital distrital ou um centro de referência que é capaz de realizar uma cesariana, isso pode-se evitar", disse o pesquisador da Harvard Medical School, Blake Alkire.

Ele observa que as mortes por parto obstruído são praticamente desconhecidas nos países mais ricos.

As mulheres quase sempre têm a opção de cesariana, na qual o bebê é entregue através de uma incisão cirúrgica no útero da mãe.

Para medir o valor real da cesariana, Alkire utilizou os dados da Organização Mundial da Saúde, começando com o estimado benefício econômico de prevenir a morte e ferimentos.

E então nós essencialmente apenas ao comparar o custo dos partos por cesariana, chegamos a um racio de custo-benefício de 6-1, disse.

Então, $6 no benefício para cada $1 gasto. O custo da cesariana foi realmente extremamente baixa - uma média de cerca de US $ 140.

XS
SM
MD
LG