Links de Acesso

Grã-Bretanha e França apresentam resolução na ONU contra a Síria

  • Paulo Faria

Grã-Bretanha e França apresentam resolução na ONU contra a Síria

Grã-Bretanha e França apresentam resolução na ONU contra a Síria

A França e a Grã-Bretanha introduziram uma resolução no Conselho de Segurança da ONU condenando a repressão violenta do governo sírio contra manifestantes.

Um grupo de 122 sírios atravessou a fronteira para a Turquia, enquanto civis estão a abandonar a localidade fronteiriça de Karbeyaz após uma ameaça do governo de Damasco de responder “decididamente” à recente violência. O governo sírio acusou “bandos armados” de “massacrarem” 120 elementos das suas forças de segurança. Residentes e activistas disputam a versão oficial, tendo dito que a luta irrompeu entre elementos das forças de segurança, quando soldados começaram a trocar de lado e juntaram-se aos manifestantes depois de vários dias de repressões sangrentas. Outras informações dizem que civis sírios pegaram em armas e para se defenderem. Nenhuma das versões pôde ser verificada por fontes independentes porque os jornalistas estrangeiros não estão autorizados a desenvolverem actividades na Síria. Entretanto, a França e a Grã-Bretanha introduziram uma resolução no Conselho de Segurança da ONU condenando a repressão violenta do governo sírio contra manifestantes.

Falando na Câmara dos Comuns, o primeiro-ministro britânico David Cameron informou que Londres e Paris apresentaram uma resolução ao Conselho de Segurança condenando a repressão da Síria contra manifestantes anti-governamentais e exigindo acesso humanitário no país:

“Existem informações credíveis de um milhar de mortos e mais de 10 mil pessoas detidas e a violência contra manifestantes pacíficos é completamente inaceitável. Por isso, não devemos ficar silenciosos face a esses ultrajes e não ficaremos.”

A França fez eco dessa retórica forte. O ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Alain Juppé, disse que o presidente sírio Bashar al-Assad perdeu toda a legitimidade para governar o seu país.

A Síria enfrenta também pressões internacionais pelas suas alegadas actividades nucleares, com os Estados Unidos e outros membros da Agencia Internacional de Energia Atómica a pressionarem para levar Damasco perante o Conselho de Segurança da ONU por não cumprimento.

Entretanto, em Paris, a embaixadora da Síria na Franca, Lamiá Shakkour, negou noticias veiculadas pela estacão de televisão France 24 de que se tinha demitido das suas funções em protesto pela violência na Síria.

XS
SM
MD
LG