Links de Acesso

Malawi já não realiza cimeira africana por causa de al Bashir


Governo do Malawi tinha dito que presidente do Sudão seria preso e entregue ao Tribunal Penal Internacional

O vice-presidente do Malawi afirmou que a União Africana decidiu mudar o local da próxima cimeira de chefes de estado que devia realizar-se no seu país.

A decisão segue-se à declaração dos líderes do Malawi de que deteriam o presidente sudanês, Omar al-Bashir, sob o qual pende um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional.

O vice-presidente do Malawi, Khumbo Kachali, afirmou aos microfones da rádio nacional que o seu país não receberia a cimeira programada para o mês que vem.

Acrescentou que a decisão era a que “melhor servia os interesses dos malauianos”.

Anteriormente o Malawi tinha pedido à União Africana que não convidasse o presidente sudanês Omar al Bashir . Contudo aquela organização respondeu dizendo que não cabia ao país anfitrião tomar uma tal decisão e informou o governo do Malawi de que a cimeira tinha sido reprogramada para Adis Abeba na Etiópia.

Bashir é procurado pelo Tribunal Penal Internacional sob a acusação de que dirigiu uma campanha de assassinatos, violações e de outros crimes contra civis na região sudanesa de Darfur.

Billy Banda, o director da organização de defesa dos direitos humanos Malawi Watch, afirma que a decisão de cancelar a cimeira é simultaneamente boa e má para o seu país: “ O Malawi na sua qualidade de país tomou essa decisão para mostrar responsabilidade e cooperação com a comunidade internacional em relação a al-Bashir. Estamos contudo preocupados pelo facto de ter-mos perdido uma oportunidade para trocar impressões com muitos outros líderes tanto de organizações não-governamentais como do mundo empresarial”.

O Malawi tinha boas razões para estar preocupado com as implicações de uma visita do presidente sudanês.

No ano passado o país foi muito criticado quando recebeu al-Bashir por ocasião de outra cimeira durante a administração do anterior presidente, Bingu wa Mutharika.

A agência para o desenvolvimento dos Estados Unidos citou essa visita como uma das razões para o congelamento de 350 milhões de dólares em ajuda ao Malawi.

Mutharika morreu de um ataque cardíaco em Abril e a sua sucessora Joyce Banda tem vindo a tentar melhorar as relações internacionais.
O líder da oposição do Malawi, Kamuzu Chibambo, afirmou entretanto que apoiava a decisão do governo e criticou a União Africana por não estar disposta a alcançar um compromisso.

Outros dois países africanos, a África do
Sul e a Zâmbia, já fizeram saber que deteriam o presidente sudanês se ele pusesse pé no seu solo.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG