Links de Acesso

ACNUR prevê mais refugiados para a próxima década

  • Larry Freund

António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados num campo de acolhimento imigrantes ilegais etíopes no Iémen

António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados num campo de acolhimento imigrantes ilegais etíopes no Iémen

António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados diz que não há soluções humanitárias para problemas humanitários

Novo Relatório sobre os Refugiados

A Agencia das Nações Unidas para os Refugiados - ACNUR - informou ontem que o mundo vai assistir a um aumento de refugiados nos próximos 10 anos em resultado do crescente movimento migratório em massa da população mundial.

Um novo relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados indica que o êxodo populacional causado pelos conflitos está a ser dominado por vários por vários factores: as mudanças climáticas, o crescimento populacional, urbanização, insegurança alimentar, disputa e escassez de água e de recursos naturais. Todas essas causas afirma o HCR interagem-se aumentando a instabilidade e conflitos e em ultimo caso têm forçado a migração das pessoas.

O Alto Comissário para os Refugiados, António Gueterres disse durante uma conferência de imprensa que as novas crises surgidas no ano passado acabaram por provocar um número ainda maior de refugiados em relação aos últimos dez anos. Guterres adiantou que os 70 por cento dos refugiados protegidos pela Agencia dos Refugiados da ONU - mais os refugiados palestinianos - encontram-se nessa situação há mais de 5 anos.

“Portanto, mais refugiados – significa, períodos de tempo mais longos, mais dificuldades para os atender e proteger.”

Guterres adiantou que durante as várias crises de 2011 e deste ano, os países vizinhos e em desenvolvimento, têm mantido as suas fronteiras abertas para acolher os refugiados. Ao mesmo tempo disse haver um debate nos países industrializados para restringir as políticas de asilo e o encerramento das fronteiras. O antigo primeiro-ministro português apontou como causa desta situação, o que chamou de alianças entre alguns líderes políticos populistas e determinados meios de comunicação irresponsáveis que criam um ambiente onde a xenofobia e o racismo tendem desenvolver-se.

“O mais dramático de tudo, é que esses conflitos são imprevisíveis. As coisas acontecem em locais onde ninguém estava a espera… ou se olhar para o futuro, é muito difícil prever onde vamos assistir a uma nova crise. E é claro que elas acontecem porque estão a ter lugar quase todos os meses. É muito difícil prever.”

António Guterres disse não haver soluções humanitárias para problemas humanitários. A solução, segundo ele, é sempre política, e existem cada vez menos meios no mundo para encontrar soluções através da prevenção e resolução de conflitos.

A Agencia das Nações Unidas para os Refugiados informou ontem que o mundo vai assistir a um aumento de refugiados nos próximos 10 anos em resultado do crescente movimento migratório em massa da população mundial.

Um novo relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados indica que o êxodo populacional causado pelos conflitos está a ser dominado por vários por vários factores: as mudanças climáticas, o crescimento populacional, urbanização, insegurança alimentar, disputa e escassez de água e de recursos naturais. Todas essas causas afirma o HCR interagem-se aumentando a instabilidade e conflitos e em ultimo caso têm forçado a migração das pessoas.

O Alto Comissário para os Refugiados, António Gueterres disse durante uma conferência de imprensa que as novas crises surgidas no ano passado acabaram por provocar um número ainda maior de refugiados em relação aos últimos dez anos. Guterres adiantou que os 70 por cento dos refugiados protegidos pela Agencia dos Refugiados da ONU - mais os refugiados palestinianos - encontram-se nessa situação há mais de 5 anos.

“Portanto, mais refugiados – significa, períodos de tempo mais longos, mais dificuldades para os atender e proteger.”

Guterres adiantou que durante as várias crises de 2011 e deste ano, os países vizinhos e em desenvolvimento, têm mantido as suas fronteiras abertas para acolher os refugiados. Ao mesmo tempo disse haver um debate nos países industrializados para restringir as políticas de asilo e o encerramento das fronteiras. O antigo primeiro-ministro português apontou como causa desta situação, o que chamou de alianças entre alguns líderes políticos populistas e determinados meios de comunicação irresponsáveis que criam um ambiente onde a xenofobia e o racismo tendem desenvolver-se.

“O mais dramático de tudo, é que esses conflitos são imprevisíveis. As coisas acontecem em locais onde ninguém estava a espera… ou se olhar para o futuro, é muito difícil prever onde vamos assistir a uma nova crise. E é claro que elas acontecem porque estão a ter lugar quase todos os meses. É muito difícil prever.”

António Guterres disse não haver soluções humanitárias para problemas humanitários. A solução, segundo ele, é sempre política, e existem cada vez menos meios no mundo para encontrar soluções através da prevenção e resolução de conflitos.

XS
SM
MD
LG