Links de Acesso

Angola acusa Kumba Ialá de ser mentor do golpe de estado em Bissau


Rua movimentada de Bissau

Rua movimentada de Bissau

O golpe de estado realizado a 12 de Abril na Guiné-Bissau começou a ser preparado logo a seguir à morte do presidente Malam Bacai Sanhá, a 9 de Janeiro, acusou quarta-feira em Luanda um governante angolano.

Angola acusa Kumba Ialá de ser mentor do golpe de estado em Bissau

O golpe de estado realizado a 12 de Abril na Guiné-Bissau começou a ser preparado logo a seguir à morte do presidente Malam Bacai Sanhá, a 9 de Janeiro, acusou em Luanda um governante angolano, de acordo com um despacho da agência noticiosa portuguesa Lusa.

A acusação foi feita pelo vice-ministro da Defesa, Salvino Sequeira "Kianda", que implicou o antigo presidente e actual candidato presidencial Kumba Ialá no golpe, durante uma intervenção no debate realizado no parlamento angolano para a votação de uma resolução sobre a Guiné-Bissau.

Segundo Salvino Sequeira, Kumba Ialá manobrou os militares guineenses para protagonizarem um golpe de estado, tendo mesmo dado uma soma de dinheiro ao chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, general António Indjai.

"O chefe das Forças Armadas da Guiné-Bissau e o candidato Kumba Ialá são parentes. A mulher de Kumba Ialá é tia de António Indjai ", explicou o general "Kianda", acrescentando que, uma vez no Estado-Maior, Ialá "fez um discurso aos militares que lá estavam e, inclusive, tirou dinheiro e entregou ao Chefe de Estado-Maior General".

Na intervenção hoje perante os deputados angolanos, o vice-ministro da Defesa caracterizou as forças armadas guineenses como sendo maioritariamente formadas por antigos guerrilheiros.

"As forças armadas da Guiné-Bissau têm um efectivo de quatro mil homens e a maioria desses efectivos são elementos que vieram da guerrilha. Quase todos eles são guerrilheiros e até hoje, infelizmente, mantêm aquela consciência guerreira. Acham que eles é que são os donos do país e que nenhum político dentro da Guiné-Bissau deverá falar mais alto do que um militar", considerou o vice-ministro angolano da Defesa.

Relativamente à alegação feita por deputados da oposição acerca do material bélico levado pelo contingente militar angolano para a Guiné-Bissau, considerado desproporcional face ao objectivo do envio daqueles efectivos, para a reforma dos sectores de defesa e segurança guineenses, Salvino Sequeira respondeu que não é "com paus e brinquedos" que se formam militares.

"O protocolo fala de formação de pessoal e as forças da Guiné-Bissau não podem ser formadas com paus ou brinquedos. Teve que se levar armamento, teve que se levar técnicas de combate, teve que se levar técnicas de fogo, portanto, o que é que a gente vai ensinar a eles se eles não têm armamento?", questionou.

Salvino Sequeira acrescentou que Angola mantém estacionados na Guiné-Bissau 232 militares e 38 polícias, razão pela qual considera não ter fundamento que aqueles 270 efectivos representem uma ameaça à estabilidade guineense.

XS
SM
MD
LG