Links de Acesso

Brasil quer relações comerciais diferentes com a China


Brasil quer relações comerciais diferentes com a China

Brasil quer relações comerciais diferentes com a China

O governo brasileiro avalia como muito positiva a visita da presidente Dilma Rousseff à China, entre os dias 12 e 16 de Abril, mas para analistas no Brasil, a presidente deixou claro que o país não tem mais interesse em manter relações com os chineses nos mesmos moldes do passado.

O governo brasileiro avalia como muito positiva a visita da presidente Dilma Rousseff à China, entre os dias 12 e 16 de Abril, mas para analistas no Brasil, a presidente deixou claro que o país não tem mais interesse em manter relações com os chineses nos mesmos moldes do passado.

De volta à Brasília, Dilma Rousseff fez nesta segunda-feira, 18, um balanço da viagem ao país asiático. A presidente disse estar satisfeita com os desdobramentos do contacto com os chineses e com a assinatura dos acordos de cooperação entre os dois países. “Eu diria que fui muito sucedida porque nós alcançamos um dos nossos principais objectivos, o de abrir as portas para que mais produtos brasileiros entrem na China. Assinamos 20 acordos com o governo chinês, alguns para desenvolvermos pesquisa na área de ciência e tecnologia e, também, fechamos bons negócios com empresários que vão investir mais no Brasil,” afirmou.

O professor de Relações Internacionais da Universidade Federal de Brasília (UNB), Argermiro Procópio, avalia que a presidente trouxe resultados concretos e deu aos chineses o recado de que o Brasil exige novo tratamento. “Essa visita mostrou que a presidente está trabalhando por uma diplomacia de resultados. Ela também pode mostrar ao governo chinês que não interessa ao Brasil voltar àquela situação colonial de ser um posto exportador de minério e de grão num processo de comoditização versus industrialização”, analisa. “O Brasil vende, cada vez menos, produtos industriais, ou produtos com menos componentes nacionais. A presidente mostrou isso para o governo chinês e teve uma boa receptividade,” completa.

O especialista garante que os nossos interesses não colidem, necessariamente, com os dos chineses. “Podem existir interesses convergentes, a China é grande importadora e grande exportadora de tecnologia. Mas, infelizmente, em outros governos quase perdermos o trem da história. Ficamos apenas com muitas ‘tapinhas nas costas’. Alguém precisava assumir a diplomacia da sinceridade, mostrar que o Brasil tem uma dimensão tal que se interessa em exportar produtos com valor agregado. Isso ela fez agora,” afirma Argemiro Procópio.

Ainda de acordo com o analista brasileiro, com a viagem, a presidente conseguiu mostrar que amizade e negócios são esferas diferentes. “Ela mostrou que o Brasil tem interesse de zelar pela sua indústria. Por isso, a presidente foi acompanhada de um grupo de industriais. A viagem mostrou que o Brasil quer passar uma borracha no passado colonial e isso foi positivo.”

O professor destaca, ainda, que, com uma postura brasileira firme, as futuras rivalidades entre Brasil e China podem ser evitadas. “O Brasil mostrou o nosso interesse pela vaga nas Nações Unida, apontando que esse Conselho, com cinco notáveis, mostra uma realidade mundial de um pós guerra que não tem nada a ver com a de hoje. Achei positiva a mensagem de uma nova ordem internacional que precisa de reformas estruturais urgentes,” encerra.

XS
SM
MD
LG