Links de Acesso

Líbia: Rebeldes impõem condições para o cessar-fogo


Líbia: Rebeldes impõem condições para o cessar-fogo

Líbia: Rebeldes impõem condições para o cessar-fogo

Coronel Kadhafi procura saída diplomática ao despachar um enviado à Londres

Na Líbia um membro da oposição disse que as forças rebeldes estão disponíveis a aceitar um cessar-fogo se o Coronel Kadhafi puser fim aos cercos militares e permitir a organização de protestos anti-governamentais.

O porta-voz da oposição Mustafa Abdul-Jalil falava hoje em Benghazi ao lado do enviado das Nações Unidas Abdelilah Al-Khatib que procura uma solução política ao conflito.

A proposta de cessar-fogo das forças rebeldes líbias acontece numa altura em que a imprensa reporta que um enviado do Coronel Muammar Kadhafi chegou a Londres para consultas com o governo britânico.

As notícias referem que Mohammed Ismail, é conselheiro do filho do presidente líbio, Saif al-Islam.

Um porta-voz do ministério dos negócios estrangeiros inglês disse ao jornal The Guardian que uma mensagem clara foi transmitida da parte do governo britânico de que o presidente Kadhafi deve abandonar o poder. O responsável inglês recusou-se entretanto a dar mais pormenores sobre os contactos entre o enviado líbio e o governo britânico.

O recurso a diplomacia por parte do Coronel Kadhafi ganhou relevo depois de deserções de duas importantes figuras do seu governo. Depois da resignação na Quarta-feira do ministro dos negócios estrangeiros Moussa Koussa, ontem foi a vez de Ali Abdessalam Treki antigo chefe da diplomacia líbia e presidente da Assembleia-geral das Nações Unidas, abandonar o governo, afirmando que os líbios tem o direito de viver em liberdade, democracia e prosperidade.

O ministro dos negócios estrangeiros alemão disse hoje que a situação na Líbia não deve ser resolvida pela via militar após um encontro em Pequim com o seu homólogo chinês Yang Jiechi. Guido Westerwelle sublinhou que a crise só pode ser solucionada por via política e apelou as partes em conflito a darem o início ao processo político através do cessar-fogo.

O chefe da diplomacia chinesa, Yang Jiechi apoiou por seu lado a solução por via diplomática. A China e Alemanha abstiveram-se na votação do Conselho de Segurança das Nações Unidas que impôs a exclusão aérea na Líbia para proteger a população civil de ataques aéreos.

Ontem a NATO que assumiu as operações da coligação internacional já alertou as forças rebeldes de que serão igualmente alvos de bombardeamentos da Aliança no caso de atacarem os civis.

XS
SM
MD
LG