Links de Acesso

Possibilidade de tratar cancro com medicamento da malária

  • Jaime Faria
  • Ana Guedes

As células cancerosas têm um índice muito elevado de autofagia

Medicamento da malária pode tratar cancros

Os pesquisadores dizem que uma droga comumente usada para tratar a malária e artrite reumatóide também se mostrou eficaz no tratamento de alguns cancros agressivos.

Quando os cientistas administraram hidroxicloroquina, uma droga anti-malária, juntamente com os medicamentos conhecidos para câncros, eles descobriram que impedia o crescimento de tumores cancerosos em dois terços dos pacientes.

Os cientistas sabem que as células humanas de câncer de crescer a obtenção de energia a partir de tumores adjacentes, onde as células começaram a se autodestruir. A disseminação do cancro é acelerada pela morte dessas células.

Dr. Ravi Amaravadi de UPenn School of Medicine disse: "este processo chamado autofagia, o que significa, literalmente, auto-comer, está presente em todas as células. Mas o que estamos descobrindo em nossa pesquisa é que as células cancerosas têm um nível muito elevado de autofagia mesmo antes de qualquer tratamento, e assim eles estão prontos para assumir os danos de terapias contra o câncro existentes e simplesmente quebrar as peças danificadas para alimentar ainda mais o crescimento.

Dr. Ravi Amaravadi é um especialista da Universidade da Pennsylvania School of Medicine. O grupo tratou de pacientes com a combinação de medicamentos convencionais para o cancro com a droga anti-malária, hydroxychoroquina. O composto é conhecido por inibir a autofagia e investigadores esperavam que poderia impedir que as células cancerosas de crescimento.

Em ensaios clínicos, os cientistas descobriram que hidroxicloroquina emparelhado mal com alguns medicamentos contra o câncro. Mas funcionou bem com os outros, como o Temsirolimus, para ajudar a travar o crescimento do tumor - a chamada "doença estável" taxa - em pacientes com melanoma, um câncro da pele agressivo. E quando temsirlimus (uma droga de cancro) foi testado no melanoma, tinha zero por cento taxa de doença estável. E quando combinado com drogas da malária hidroxicloroquina, a taxa de doença estável foi de até 76 por cento de modo que é uma diferença muito grande.

Os pesquisadores utilizaram dose elevada de cloroquina para bloquear a autofagia, muito maior do que é normalmente utilizado para tratar arthiritis reumatóide ou a malária. A dosagem não foi ainda provada prejudicial.

Dr. Davide Ruggero da Universidade da Califórnia, San Francisco, também é estudar o crescimento das células cancerosas. Os resultados em pesquisas com hydroxychloriquine são promissores.

Disse Dr. Ruggero, esta é a grande descoberta, porque sabemos que os compostos não são tóxicos - já foram utilizados”.

Mas Dr, Amaravadi adverte que os oncologistas não devem usar a droga contra a malária fora de ambientes clínicos. Ele diz hidroxicloroquina tem efeitos colaterais graves, quando combinado com alguns medicamentos contra o câncro. Assim, o conhecimento de que os compostos funcionam bem juntos é crítico

Os distúrbios do sono

Respirar durante o sono deve ser automático, mas às vezes a respiração pode ser perturbada. Como resultado, não de pode ter tido um sono de boa noite, assim que se sinta sonolência no dia seguinte. Um novo estudo indicou que quando as crianças não respirarem correctamente enquanto dormem, pode levar a mais graves problemas de comportamentos e emocionais,

Distúrbios respiratórios do sono incluem uma variedade de condições, incluindo ressonar, respiração oral e apneia do sono. Uma estimativa de 1 criança em 10 ressoona regularmente, e um número menor sofrem de outras condições.

Em um novo estudo, os pais foram questionados sobre a respiração de seus filhos desde a infância até aos 6 anos de idade. Eles também preencheram um questionário de comportamento entre as idades de quatro e sete anos. Pesquisadores liderados por Karen Bonuck na Faculdade Einstein de Medicina) da Universidade de Yeshiva) em Nova Iorque, estudaram os dados.

"A conclusão central geral é de que distúrbios respiratórios do sono estão associados com um aumento de 50 por cento em resultados adversos neuro-comportamentais."

Os "efeitos adversos" neuro-comportamentais principalmente incluem a híper-actividade, mas também a agressividade e problemas nos relacionamentos com outras crianças.

Bonuck diz que os problemas mais significativos foram a respiração, o mais grave dos problemas de comportamento eram susceptíveis de ser.

"O que descobrimos foram que os piores resultados foram observados nas crianças com os piores sintomas."

Este não é o primeiro estudo a relacionar as questões das crianças com problemas comportamentais do sono, mas era suficientemente grande - com cerca de 11.000 jovens envolvidos - para descartar outras causas possíveis.

"Antes desse estudo, certamente que se sabia de uma data de efeitos adversos em termos de comportamento, crescimento, cognição. A diferença com o nosso estudo é que estudamos muitas crianças, que acompanhamos por quase seis anos, e estes eram uma população geral.”

Nota Bonuck que alguns estudos anteriores controlavam crianças por um curto período de tempo, ou foram limitados, por exemplo, para pacientes de amigdalectomia (corte das amígdalas)

O estudo realizado por Karen Bonuck e seus colegas foi publicado no "Jornal de Pediatria”.

XS
SM
MD
LG