Links de Acesso

Coreia do Norte: Anúncio de lançamento de satélite levanta tensões


Foguete Unha-3 deverá transportar o novo satélite norte-coreano Kwangmyongsong para a órbita terrestre

Foguete Unha-3 deverá transportar o novo satélite norte-coreano Kwangmyongsong para a órbita terrestre

Pyongyang deverá lançar o alegado satélite de comunicação Kwangmyongsong-3 entre 12 e 16 de Abril em honra a Kim Il Sung

A Coreia do Sul mostra-se mais incisiva em críticas em relação a sua vizinha Coreia do Norte que não tem dado sinais de recuo no seu planeado lançamento de satélite no próximo mês.

Steve Herman correspondente da VOA para Ásia, diz que vai ser o terceiro lançamento espacial do regime de Pyongyang.

O presidente da Coreia do Sul Lee Myung-bak reuniu hoje com o ministro dos negócios estrangeiros e altos responsáveis de segurança, para analisar o lançamento pela Coreia do Norte do que descreveu como um satélite de observação terrestre.

O porta-voz da presidência sul-coreana Park Jeong-ha disse a jornalistas que Pyongyang não enganará ninguém com o que segundo ele poderá ser claramente mais um teste de míssil.

Park disse que a Coreia do Norte está a usar tecnologias de mísseis balísticos para desenvolver um sistema de bombas nucleares de longo alcance. Por isso, o chamado lançamento de satélites poderá ser uma provocação.

O anúncio de lançamento está a levantar preocupações na região pelo facto da notificação de Pyongyang aludir que a queda da cápsula de lançamento do engenho está prevista para apenas 140 quilómetros da costa da Coreia do Sul. Ao mesmo tempo a Coreia do Norte informou a Organização da Aviação Civil Internacional e a Organização Marítima Internacional que a cápsula deverá cair a 190 quilómetros a leste das Filipinas. Por outro lado, engenheiros aeronáuticos dizem-se preocupados dada a falta de experiencia da Coreia do Norte em proceder experiências de lançamento de foguetes de longo-curso, susceptíveis de serem desviados facilmente das suas trajectórias.

O governo japonês declarou que poderá abater o engenho se ele atravessar o seu espaço aéreo.

Mesmo a China, grande aliado da Coreia do Norte tornou público o seu raro desacordo com Pyongyang. Pequim afirma estar preocupado com o facto de esse lançamento representar um potencial risco à paz e segurança regional.

Contudo a Coreia do Norte rejeitou a pressão internacional afirmando que tem a legitimidade enquanto país soberano, para colocar na órbita satélites científicos.

Ontem a noite a televisão estatal norte-coreana entrevistou estudantes de Tecnologia da Universidade Kim Chaek acerca desse novo lançamento de satélite.

A Coreia do Norte tinha anunciado na Sexta-feira passada que iria lançar entre 12 e 16 de Abril o foguete Unha-3 transportando o satélite Kwangmyongsong-3. O lançamento deverá coincidir com a celebração do 100º (centenário) do aniversário de nascimento do fundador do país, Kim Il Sung.

Vários países têm afirmado por sua vez, que essa experiência violaria as resoluções das Nações Unidas que embargam a Coreia do Norte o uso de tecnologias de mísseis balísticos.

Pyongyang conduziu um teste de mísseis de longo alcance em 2009 e assumiu ter colocado com sucesso um satélite na órbita terrestre, tendo realizado uma segunda experiencia ainda no mesmo ano. Essas acções suscitaram uma onda de protestos e de condenação internacional.

Analistas da indústria espacial afirmam no entanto que ambas as precedentes experiências espaciais da Coreia do Norte foram um fracasso.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG