Links de Acesso

Exército brasileiro intervém na Baía perante greve da polícia militar


Soldados patrulham as ruas de S. Salvador, no Estado da Baía.

Soldados patrulham as ruas de S. Salvador, no Estado da Baía.

O número de homicídios na Bahia dobrou em comparação ao mesmo período do ano passado. Foram 93 assassinatos em sete dias.

O exército brasileiro foi enviado para a cidade de Salvador, no Estado da Baía, onde um terço dos elementos da Polícia Militar entrou em greve, tendo 200 grevistas e seus familiares ocupado o parlamento estadual em sinal de protesto.

Forças do exército cercaram o edifício ocupado. Há notícias de que soldados se confrontaram com apoiantes dos grevistas.

A convocação do exército para ajudar na segurança do Estado da Bahia é criticada por especialistas brasileiros. Mais de 600 militares do exército foram enviados para a capital Salvador e arredores para tentar garantir a segurança no Estado, diante dos reflexos de uma greve da Polícia Militar.

A paralisação provocou uma onda de violência em Salvador, com alta de crimes também em parte do interior do estado. O número de homicídios na Bahia dobrou em comparação ao mesmo período do ano passado. Foram 93 assassinatos em sete dias. Também houve registro de saques no comércio.

O Estado da Bahia, que tem mo maior número de afrodescendentes do Brasil, conta hoje com cerca de 30 mil policiais militares. O salário atual é de cerca de R$1.900,00 para soldado e R$ 2.300,00 para cabos e sargentos. Os policiais lutam, há alguns meses, por aumento salarial de, pelo menos, 600 reais por mês.

Para Hector Saint-Pierre, autor do livro “A política armada: fundamentos da guerra revolucionária” e pesquisador da Unesp, colocar o exército em ação, como neste caso da Bahia, é sempre muito arriscado para todos. “Um perigo para a população em geral. Para a o inocente, o delinquente, a polícia e até para o próprio exército. Porque são forças de eliminação, letal. Não são forças de repressão ou para cuidar do patrimônio público. Eles são treinados, doutrinados e armados para o inimigo externo, para eliminar o inimigo,” afirma o especialista.

Para Saint-Pierre, é preciso lembrar que os homens do exército são acostumados com a lógica da guerra. “Na guerra você pode matar um santo, se ele estiver no outro lado da trincheira. Não existe crime. Já no caso da ordem interna, pode ser um estuprador, o pior deliquente que você não tem o direito de matá-lo. Ele tem o direito à vida e o Estado tem obrigação de cuidar da vida desse criminoso,” completa.

A população de Salvador ficou muito assustada com a situação e com a mudança na rotina de todos na capital baiana, como conta o morador Miguel Oliveira Amorim. “A vida na cidade mudou, inclusive, com suspensão de shows, da vida cultural de um modo geral. Os lugares de boêmios foram fechados. Lojas saqueadas, arrombadas, queimadas para a retirada de mercadorias. As pessoas deixaram de sair,” conta.

O empresário Felipe Almeida, que mora em salvador há mais de 20 anos, disse estar triste com o problema na capital Baiana. “Por exemplo, tem shopping que estava avisando para quem está no cinema: saiam da sala porque estamos correndo o risco de arrastão. Os lojistas, donos de empresas fecharam as lojas mais cedo para não correrem o risco de serem assaltados,” detalha. “Foi uma novidade esse tipo de acontecimento que nos surpreendeu e nos deixou muito tristes em ver a situação em que a cidade chegou. Estamos tentando com calma voltar à vida normal,” desabafou o morador.

Turistas também foram atingidos pelo problema. A embaixada dos Estados Unidos no Brasil chegou a pedir que os americanos adiem viagens à Bahia.

XS
SM
MD
LG