Links de Acesso

"Pior multinacional do Mundo" opera em Moçambique


"Pior multinacional do Mundo" opera em Moçambique

"Pior multinacional do Mundo" opera em Moçambique

A avaliação foi feita à margem do Fórum Económico de Davos na Suíça e a empresa foi acusada de protagonizar "violações dos direitos humanos e sociais" no país.

As organizações moçambicanas "Liga dos Direitos Humanos" e "Justiça Ambiental" saudaram a classificação da multinacional brasileira Vale como "Pior Multinacional" do Mundo.

A avaliação foi feita à margem do Fórum Económico de Davos na Suíça e a empresa foi acusada de protagonizar "violações dos direitos humanos e sociais" no país. Para já tanto o governo moçambicano como a Vale remeteram-se a um silêncio completo.

A empresa brasileira Vale está envolvida num projecto de exploração de carvão mineral na província setentrional de Tete.
Para o governo todo o cuidado pode ser pouco se falar contra a companhia brasileira tendo em conta as relações entre os dois países.

A ministra moçambicana para coordenação da acção ambiental, Alcinda Abreu, ainda não se pronunciou depois da Vale ter sido votada como sendo a pior do Mundo, ganhando o chamado prémio Nobel da vergonha corporativa Mundial, num concurso realizado semana passada à margem do Fórum Económico Mundial na cidade Suíça de Davos.

A “Voz da América” tentou, sem sucesso, falar por telefone com a ministra Alcinda Abreu.
O mesmo silêncio acontece com a empresa Vale. A sua assessora de comunicação, chamada Açucena, baseada em Maputo, não responde a chamadas, apesar de o seu telemóvel dar sinal de estar a chamar.

Um jornalista moçambicano baseado em Tete, onde a empresa brasileira opera, disse à “Voz da América” que normalmente a Vale não responde às solicitações de jornalistas.
Segundo a mesma fonte, o pessoal da empresa que lida com a comunicação social pede as perguntas por escrito e depois envia-as ao Brasil, onde as respostas são também dadas por escrito e enviadas a Maputo.

A Justiça Ambiental, uma filial de uma organização não-governamental estrangeira, deplora a atitude da Vale e diz que o governo moçambicano devia tomar medidas para proteger a população em Tete.

Anabela Lemos disse que toda a gente sabe que a Vale não respeita padrões ambientais recomendados. Anabela Lemos revelou que participou na votação contra a Vale.

Em Tete, a Vale construiu casas de fraca qualidade para a população movimentada das zonas de exploração de carvão, estando agora em processo de correcção dos defeitos depois de manifestação popular.

XS
SM
MD
LG