Links de Acesso

Coreia do Sul defende ataque contra piratas somalis


Coreia do Sul defende ataque contra piratas somalis

Coreia do Sul defende ataque contra piratas somalis

Seoul pondera se deve usar a força para libertar outros 44 marinheiros em poder de piratas da Somália

25 Jan 2011 - A Coreia do Sul defendeu a sua recente decisão de usar a força para libertar a tripulação de um dos seus barcos em poder dos piratas somalis.

Além dos sul-coreanos a Malásia também levou acabo operações de comandos para libertar marinheiros seus presos pelos piratas.

O ministro sul-coreano dos Negócios Estrangeiros, Kim Sung Hwan, desvalorizou as preocupações, nomeadamente da força naval europeia, segundo as quais acções militares contra os piratas põem em perigo a vida dos reféns.

Kim diz não concordar com tais criticas, e adiantou que enquanto barcos sul-coreanos estiverem em poder dos piratas, o seu país considerará o recurso a força para os libertar.

A Coreia do Sul e a Malásia levaram a cabo operações militares separadas na passada Sexta-feira para libertar marinheiros presos por piratas. Numa dessas operações, fuzileiros sul-coreanos libertaram 21 membros de uma tripulação e mataram um número indeterminado de piratas, além da captura de 5 outros.

Hoje o ministro sul-coreano da defesa, Kim Wan-jin mostrou-se cauteloso no recurso da força para libertar os outros 44 tripulantes de um barco pesqueiro do seu país, em poder dos piratas desde Outubro.

Falando aos parlamentares em Seul, Wan-jin disse que seria uma “boa ideia” se houvesse uma espécie de troca. Contudo o governo sul-coreano diz manter a sua política de não negociar com os piratas.

O ministro dos negócios estrangeiros disse por seu lado que os piratas presos serão levados a julgamento em Seul.

Kim Sung Hwan disse que enquanto os sul-coreanos forem atacados e molestados, o seu país tem o direito soberano em julgar os perpetradores dessas acções.

Um relatório das Nações Unidas a ser debatido nos próximos dias pelo Conselho de Segurança afirma que os ataques de piratas custam anualmente sete mil milhões de dólares, incluindo o pagamento de resgates, aos países alvos e a indústria mercantil. O documento apela para o reforço da segurança e o estabelecimento de um tribunal internacional para julgar os casos de pirataria.

Enquanto isso, a Força Naval da União Europeia, que dispõe actualmente de quatro barcos de patrulha no Corno de África, indicou que não vai recorrer a operações militares de resgate, pelo facto delas porem em risco a vida dos reféns.

Algumas notícias dão conta que os piratas somalis ameaçaram começar a atacar sul-coreanos e matar as respectivas tripulações para vingar os ataques da sexta-feira passada.

Agências marítimas internacionais informaram que actualmente mais de 25 barcos e 600 marinheiros estão em poder dos piratas na Somália.

XS
SM
MD
LG