Links de Acesso

Escassez de energia foi problema para o Governo de Benguela

  • António Capalandanda

Escassez de energia foi problema para o Governo de Benguela

Escassez de energia foi problema para o Governo de Benguela

As necessidades do consumo energético rondam aos 300 megawatts contra os cerca de 60 que a província produz

O governador de Benguela, Armando da Cruz Neto, disse que a falta de energia eléctrica na província foi a principal fragilidade do seu governo.

Armando da Cruz Neto que fazia o balanço de 2011 e perspectivava o presente ano, referiu que actualmente as necessidades do consumo energético rondam aos 300 megawatts contra os cerca de 60 que a província produz.

“ Reconhecemos e partilhamos com o cidadão o desconforto que essa realidade provoca,” disse aquele governante afirmando que “ cabe-nos assegurar aqui a continuidade dos nossos esforços para em cooperação com órgãos centrais implantarmos um conjunto de soluções já identificadas para a reversão do actual quadro.”

No domínio da saúde informou que ao longo ano transacto, a acção do seu governo privilegiou a extensão e o reforço da rede sanitária em todas as comunas, estando previsto para 2012, o alargamento desse serviço a vilas, povoações e aldeias.

Reconheceu ainda que a má qualidade dos serviços prestados pelas unidades hospitalares contribuiu para a perda de confiança dos cidadãos na rede sanitária local.

“ Um trabalho sério e profundo deverá ser levado a cabo pelo sector com o apoio directo do governo da província visando melhorar os níveis de atendimento nos hospitais, nos centros e postos de saúde para reconquistarmos a confiança do cidadãos e progredirmos significativamente na qualidade de prestação desse serviço indispensável a sociedade.”

Em relação ao sector da educação, o governador de Benguela disse ter registado melhorias em termos oferta, alegando que em 2008 o número de alunos inseridos no ensino não universitário era de 376 mil contra os 598 mil 274 alunos inscritos em 2011.

O governador também falou a cerca do programa de extensão de desenvolvimento que segundo ele, visa atender as necessidades produtivas das famílias no meio rural, tendo em 2011 beneficiado noventa e uma mil 600 núcleos familiares.

“ Paralelamente está em curso o crédito agrícola de campanha que ate Setembro de 2011 financiou 60 cooperativas, 73 associações e 175 agricultores individuais com valor avaliado em cerca de 300 milhões de kwanzas.”

“ Associa-se a estas acções do governo no meio rural, o Programa de Promoção do Comércio Rural, cuja estrutura reserva ganhos e vantagens para o comerciante que beneficia de financiamento com juros bonificados e para as famílias residentes nestas áreas que passam adquirir produtos de consumo de primeira necessidade, sem que para tal seja necessário percorrer grandes distâncias” disse Armando do Cruz Neto.

XS
SM
MD
LG