Links de Acesso

Apesar de sobressaltos, 2016 foi uma boa temporada nas artes e letras

  • Amâncio Miguel

Mindelact, festival de teatro, Cabo Verde

Mindelact, festival de teatro, Cabo Verde

Análise dos jornalistas culturais Chissana Magalhães, de Cabo Verde, e Frederico Jamisse, de Moçambique.

Em Cabo Verde, os artistas tiveram um bom ano, apesar de sobressaltos de percurso, diz a jornalista Chissana Magalhães.

A jornalista cabo-verdiana lamenta, entre outros aspectos, a fraca aplicação da Lei do Mecenato.

Mas, apesar disso e do facto de Cabo Verde ter “um mercado limitado, a vontade de fazer” prevaleceu.

“Os artistas dificilmente conseguem viver da sua arte,” sublinha.

No entanto, ela celebra, por exemplo, conquistas na área de dança e o crescimento do movimento hip hop.

O que, para ela, é resultado do que chama “pujança dos jovens”.

A dança que era muito dominada pelo grupo “Raiz di Polón”, conta Magalhães, viu-se rica com o sucesso, em 2016, do “Mon na Roda”, formado por jovens portadores de deficiência sob a liderança de Miriam Medina.

Sinal dessa notoriedade é o facto de, no último mês do ano, o grupo “Mon na Roda” ter sido aceite como membro do Conselho Internacional de Dança, da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

Na música, além do regresso do legendário “Bulimundo”, Cabo Verde, para agrado dos que gostam do lado tradicional, observa Magalhães, viu em 2016 a revelação dos jovens Hilário Silva e Cremilda Medina.

No teatro, o festival “Mindelact chega aos 22 anos ainda com muito a celebrar”.

Na literatura, Magalhães destaca também a publicação do primeiro romance de Osvaldo Osório, aos 79 anos de idade.

Apesar da deficiência visual, diz Magalhães, Osório, “tem essa ousadia de continuar a viver a sua paixão, que é a escrita”.

Em Moçambique, a crise nem tudo abanou…

Num ano marcado por uma crise financeira e o recrudescimento do conflito entre o exército e a Renamo, os artistas moçambicanos resistiram, afirma o jornalista Frederico Jamisse.

“Tivemos um boom cultural, apesar da crise”, diz Jamisse que elege como maior evento o Festival Nacional de Cultura, que decorreu em Agosto, na cidade da Beira, a segunda mais importante do país.

Entre outros feitos, no cinema, Licínio Azevedo estreou o seu “Comboio de Sal e Açucar” e foi o melhor filme no Festival de Joanesburgo; o saxofonista Moreira Chonguiça manteve o festival internacional MoreJazz”; Mia Couto deu continuidade à apresentação da trilogia sobre o imperador Ngungunhane; e Ungulani Baka Khossa lançou no Brasil o livro “Orgia dos loucos".

Também na literatura, Frederico Jamisse destaca a promoção que os escritores iniciaram nas escolas e bairros, com o intuito de conquistar mais leitores.

Acompanhe a entrevista com os dois jornalistas:

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG