Links de Acesso

Ano atípico na Guiné-Bissau, diz analista

  • Alvaro Ludgero Andrade

José Mário Vaz, Presidente, e Domingos Simões Pereira, antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau

José Mário Vaz, Presidente, e Domingos Simões Pereira, antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Fode Mané considera que foco da instabilidade está na Presidência da República.

Depois do regresso à normalidade constitucional em 2014, a Guiné-Bissau começou a navegar em águas tranquilas.

Em Março de 2015, conseguiu a promessa de apoio de 1,5 mil milhões de dólares por parte da comunidade internacional para financiar projectos em quase todos os sectores.

Entretanto, em Agosto, e depois de uma anunciada crise entre o Presidente da República e o primeiro-ministro, José Mário Vaz demitiu o Governo de Domingos Simões Pereira, apesar de vários pedidos de personalidades internacionais para recuar na sua intenção.

A partir daí, o país voltou a estagnar e, até agora, o novo Executivo, imposto por uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça, que considerou inconstitucional um Governo de iniciativa presidencial ensaiada por Vaz, está sem programa.

O jurista e analista Fode Mané considera, na rubrica Agenda Africana da VOA, que o ano pode ser dividido em duas partes e aponta o dedo à Presidência da República como sendo o foco da instabilidade.

Quanto ao futuro imediato, caso o programa do Governo não for aprovado, o jurista , que analisa a forma como se faz na política na Guiné-Bissau, aponta a marcação de eleições legislativas antecipadadas como a única saída legal, caso nenhum outro partido consiga apresentar um Governo e um programa com apoio parlamentar.

Entretanto, lembra que o país não tem dinheiro para realizar eleições.

Acompanhe a análise de Fode Mané em Agenda Africana:

XS
SM
MD
LG