Links de Acesso

ONG acusam Governo angolano de querer "espiar" e "liquidar" as suas organizações

  • Redacção VOA

Autoridades dizem que nova lei é ncessária para impedir actos criminosos.

Organizações Não Governamentais (ONG) angolanas criticaram a nova lei que regulamenta as suas actividades e acusaram o Governo de querer acabar com organizações não vinculadas ao Executivo.

As ONG pensam que a lei será também usada para dar ao Governo acesso às suas actividades.

As autoridades afirmam que o regulamento visa prevenir o branqueamento de capitais e do financiamento ao terrorismo.

As visadas dizem, no entanto, que o Governo pretende acabar com as organizações não vinculadas ao regime, conforme o responsável da SOS Habitar, Rafael Morais.

Por seu turno, o presidente do Fórum Regional das Associações Universitárias, com sede no Huambo, Pedro Capwacha, afirmou que a atitude do Governo atenta contra a liberdade de associação defendida pela Constituição.

As novas regras foram impostas pelo Executivo através de um decreto presidencial de 23 de Março e foram justificadas com a necessidade de "ajustar o quadro jurídico" das organizações nacionais e internacionais "ao actual panorama de desenvolvimento económico, social e jurídico-constitucional" do país.

A determinação presidencial estipula que o funcionamento destas organizações pode ser suspenso pelo Ministério Público angolano "sempre que disponha de fortes indícios da prática de actos ilícitos ou lesivos à soberania e integridade" angolanas.

Entre várias exigências, as ONG que pretendam operar em Angola ficam obrigadas à apresentação de uma carta de intenções e programas a implementar no país, incluindo "orçamentos detalhados e fontes dos recursos financeiros e patrimoniais".

O documento define ainda que estas organizações podem adquirir qualquer tipo de financiamento para a prossecução dos seus programas, desde que a fonte não esteja envolvida ou sob investigação, em Angola ou no exterior, na prática de crimes de fuga ao fisco e tráfico de droga, entre outros.

O decreto impõe que a aquisição de bens e equipamentos necessários deve ser feita no mercado nacional, tendo as ONG em actividade em Angola um período de 180 dias para adaptação às novas regras agora em vigor.

XS
SM
MD
LG