Links de Acesso

Angola: Falta de prevenção é causa de mortalidade infantil

  • Venâncio Rodrigues

Angola possui uma taxa de mortalidade neonatal superior a 45 recém-nascidos por cada mil nascimentos e vem a seguir à Guiné-Bissau

O professor da Universidade Agostinho Neto, Carlinhos Zassala, afirmou que a falta de estudo científicos nas universidades de Angola, está na base dos actuais níveis de mortalidade infantil.

Em declarações à Voz da América a propósito do último relatório da revista científica The Lancet, que coloca Angola na lista dos países perigosos para se nascer, o académico disse que tudo acontece porque não existem programas de gestão preventiva das epidemias e porque as grandes decisões em Angola são tomadas por políticos sem o concurso das universidades.

“Hoje as pessoas morrem como se fossem frangos em Angola principalmente em Luanda, porque a investigação no nosso país não funciona”, disse.

Segundo o estudo agora publicado, Angola possui uma taxa de mortalidade neonatal superior a 45 recém-nascidos por cada mil nascimentos e vem a seguir à Guiné-Bissau.

A tabela dos países mais arriscados para recém-nascidos é liderada pela Serra Leoa, com 49,5 bebés em cada mil a morrerem antes dos 28 dias e para além de Angola e Guiné-Bissau o estudo coloca mais seis países africanos designadamente a Somália, o Lesoto, a República Democrática do Congo, Mali, a República Centro Africana e Costa do Marfim.

A directora clínica da Maternidade Lucrécia Paim demonstra alguns números menos negativos

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG