Links de Acesso

Angola Fala Só -Teixeira Cândido: "Continuo pessimista quanto ao jornalismo angolano"

  • Redacção VOA

Teixeira Cândido, Secretário Geral do Sindicato de Jornalistas Angolanos, 2016

Teixeira Cândido, Secretário Geral do Sindicato de Jornalistas Angolanos, 2016

Líder sindical diz que apesar de dificuldades há no entanto ainda "jornalismo exemplar" em Angola

O secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos Teixeira Cândido disse continuar muito pessimista quanto ao futuro do jornalismo em Angola.

Ao falar no programa “Angola Fala Só”, Cândido fez notar que o país tinha perdido “de uma assentada todos os jornais que tínhamos de referência antes de 2008”.

“Estamos a falar da Capital, do Semanário Angolense, do Angolense, do Agora, o próprio Novo Jornal vai tendo alguns solavancos e a situação não melhorou”, afirmou o dirigente sindical que fez notar ainda que “hoje quem alimenta de facto as rádios são os espaços que essas rádios vendem às igrejas”.

“As igrejas evangélicas são quem consegue suportar algumas despesas das próprias rádios”, acrescentou aquele jornalista, para quem "os salários dos jornalistas são em muitos casos “vergonhosos”.

Para o líder sindical, o Governo angolano deveria apoiar a diversificação dos meios de informação não através de subsídios, mas de incentivos, como “isenções fiscais”.

Teixeira Cândido manifestou dúvidas quanto à possibilidade de rádios privadas poderem sobreviver nas províncias e afirmou que a solução passa pela criação de rádios comunitárias para fazer ouvir as vozes locais".

Na conversa com os ouvintes, revelou que é intensão do Sindicato questionar a nova lei de imprensa aprovada pelo Parlamento junto das autoridades judiciais, particularmente junto do Tribunal Constitucional.

Para Teixeira Cândido, o factor mais negativo da nova lei – que ainda está por ser promulgada – é a “usurpação das competências” dos tribunais, já que dá poderes às autoridades para suspenderem órgãos de informação que não cumpram as leis entre três e nove meses.

“O sindicato entende que estamos aqui perante uma usurpação da competências … porque a responsabilidade criminal só poder cuidada pelos tribunais e a responsabilidade civil idem”, disse.

Por outro lado, acrescentou, há uma grande preocupação sobre a “entidade administrativa que se propõe fiscalizar o estatuto editorial”, que é uma “entidade governamental”.

A lei prevê que a constituição do conselho geral da entidade reguladora seja formada por “cinco membros indicados pelo maior partido no parlamento, um pelo poder executivo, três pelos restantes partidos e dois pela classe profissional”.

“Seis membros estarão na realidade a proteger um único interesse e como são a maioria podem permanentemente votar as decisões que lhes são favoráveis”, explicou Teixeira Cândido

“Estamos aqui na presença de uma extensão dos partidos políticos na entidade reguladora”, acrescentou o sindicalista, que vê alguns factores positivos na nova lei como “o fim do monopólio da Radio Nacional de Angola”.

Teixeira Cândido disse que a auto-censura continua a ser um dos principais problemas nos órgãos de informação estatais, e culpou os dirigentes por essa prática", já que estão a “proteger os seus cargos”.

Apesar das dificuldades porque passa a informação angolana e o seu pessimismo, Cândido Teixeira diz haver ainda informação de qualidade em Angola.

“Há órgãos que fazem jornalismo exemplar”, disse, nomeando alguns desses meios de comunicação.

teste

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG