Links de Acesso

Activistas angolanos saúdam carta de eurodeputados ao PR

  • Redacção VOA

Parlamento europeu

Parlamento europeu

Eles afirmam duvidar que José Eduardo dos Santos reaja positivamente aos pedidos dos deputados europeus.

Deputados europeu escreveram ao Presidente angolano José Eduardo dos Santos a expressar a sua preocupação pela situação dos direitos humanos em Angola e pediram também uma investigação internacional independente aos confrontos no Huambo com elementos da seita A Luz do Mundo.

Activistas cívicos saudaram o envio da carta, mas duvidam que José Eduardo dos Santos venha a ceder a este tipo de pressão.

Trinta e sete eurodeputados de 6 grupos políticos e 14 nacionalidades enviaram nesta quarta-feira, 10 de Junho, uma carta ao Presidente da República de Angola, pedindo, entre outras coisas, uma investigação internacional independente aos confrontos no Huambo com elementos da seita A Luz do Mundo que, segundo partidos da oposição, causaram centenas de mortos.

Por outro lado, os eurodeputados dão como exemplo da violação de direitos humanos o assédio judicial do jornalista Rafael Marques e a detenção e arquivamento dos processos contra os activistas de Cabinda Arão Bula Tempo e José Marcos Mavungo, em Cabinda.

O activista dos direitos humanos destacado no Huambo Ângelo Kapuacha disse que a ideia dos eurodeputados deve ser saudada por todos os angolanos mas afirmou que o Presidente angolano muito dificilmente vai atender a preocupação apresentada.

Kapuacha disse existir neste momemto o "desmoronamento" dos alicerces dos direitos humanos em Angola.

O activista disse duvidar que o Presidente aceite uma investigação internacional ao caso Kapuleteka “por uma questão de coerência com o discurso dele de Abril, onde ele autorizava o desmantelamento total da seita”.

Os casos dos activistas presos em Cabinda e das acções judiciais de “carácter mais poltico e chantagista” contra Rafael Marques “concorrem para esta preocupação muito grande que está a ruir os alicerces dos direitos humanos que de facto nunca tivemos”, disse Kapuacha.

Por seu turno, o responsável do Conselho Angolano dos Direitos Humanos Tunga Alberto afirmou que o Presidente angolano devia respeitar as preocupações da comunidade internacional se quiser demonstrar que é líder de um Estado membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

XS
SM
MD
LG