Links de Acesso

Joaquim Chissano fala em falta de cultura democrática em Moçambique, analistas contradizem

  • Ramos Miguel

Joaquim Chissano ex-Presidente de Moçambique

Joaquim Chissano ex-Presidente de Moçambique

Reacção surge depois de Joaquim Chissano ter dito que falta de cultura democrata está na base do impasse entre o Governo e a Renamo.

O antigo Presidente moçambicano Joaquim Chissano considerou na Segunda-feira, 21, que a falta de cultura democrática é a causa do impasse que se regista no processo negocial entre o Governo e a Renamo.

Posição contrária têm analistas moçambicanos, com alguns a reagirem de forma muito contundente ao pronunciamento de Chissando.

Eles questionam a clareza que não houve ontem para não se concluir o processo de implementação do Acordo Geral de Paz, assinado em 1992, em Roma.

O académico Julião Cumbana questiona o facto de Joaquim Chissano ter permitido a existência da Renamo armada, durante 10 anos, no seu consulado como Presidente da República.

Para o analista político Egídio Plácido, existe cultura democrática em Moçambique, o que é necessário é aperfeiçoar essa democracia.

Para o também analista político José Machicame, "o que deve haver é, se calhar, um défice democrático porque em Moçambique existem instituições e práticas que são típicas e normais numa democracia".

Na sua intervenção, Chissano afirmou que a falta de cultura democrática impede o avanço do diálogo político, mas para Egídio Plácido a existência desse processo negocial já é uma demonstração de cultura democrática.

Plácido diz que não se deve responsabilizar os mediadores pelos impasses no diálogo políico porque eles são apenas facilitadores do processo.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG