Links de Acesso

Agricultoras africanas reclamam por mais apoios

  • Redacção VOA

"Agricultura ecológica" produz alimentos e defende o ambiente

"Agricultura ecológica" produz alimentos e defende o ambiente

A FAO reconhece que as mulheres são o pilar da agricultura africana ao produzirem perto de 90 por cento dos produtos alimentares em África.

Analistas estimam que as mulheres agricultoras produzam cerca de 90 por cento da comida em África. A Organização para a Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) acrescenta que dois terços das mulheres africanas têm trabalho na agricultura.

A VOA esteve no encontro das organizações das mulheres agricultoras, nos Camarões, onde foram discutidos meios para tornar a agricultura numa actividade mais lucrativa.

Em Santa, no noroeste dos Camarões, Adamu Maino cria gado num pedaço de terra da família, que ele tirou da sua irmã Maimonatou Aisha devido a tradições culturais.

Líderes de uma associação africana de agricultoras, incluindo a camaronesa Veronica Kini, foram ter com Maimonatou para encorajá-la a recuperar a sua terra.

Para Verónica “não se pode esperar que uma mulher que tenha passado 30 anos a cultivar fique sem direito à sua terra pelo simples facto de ser mulher. Eles dizem que ela é mulher, vai casar-se com uma família diferente, por isso não tem direito à sua própria terra.”

Maimonatou é apenas uma em milhões de mulheres agricultoras africanas que enfrentam uma série de problemas no que toca a práticas tradicionais, como não terem direito à sua terra ou terem dificuldades no acesso a empréstimos.

Simadana Elizabeth do Malawi diz que os problemas são semelhantes em todo o continente: “Muitas de nós não possuímos terra. Quando vamos a uma instituição financeira, pedir um crédito, os bancos querem saber se somos proprietárias de terras e aí percebe-se que a maior parte das mulheres não tem propriedades, por isso é um desafio comum e temos que arranjar uma solução para o mesmo”.

A FAO reconhece que as mulheres são o pilar da agricultura africana. Elas produzem perto de 90 por cento dos produtos alimentares em África e são também responsáveis por preparar a comida para as suas famílias.

Durante três dias, grupos de mulheres agricultoras reuniram-se nos Camarões para analisar os obstáculos que elas acreditam estarem a atrasar o seu progresso.

Entre as preocupações está o facto de lhes parecer que os governos fazem pouco para resolver os problemas. Veronica Kini diz que o problema é a inércia.

É de facto deplorável. Temos dito isto vezes e vezes sem conta. Consegue imaginar uma mulher de 50 anos a carregar um saco de 50 quilos na cabeça enquanto atravessa uma ponte que está mal construída?! Para mim é deplorável, nós precisamos de tractores, de ceifeiras, eles sabem o que precisamos”, conclui.

Entre as resoluções da conferência de Yaounde definiu-se ser preciso esclarecer melhor as mulheres sobre os seus direitos. A presidente da Rede de Agricultoras da África Central, Elizabeth Atangana, diz que isso consegue-se com formação.

A formação foi uma das principais recomendações, para que elas consigam ter iniciativa, saber negociar e também defender os seus interesses”, defende.

De acordo com as Nações Unidas, mais de 1 bilhão e meio de mulheres no mundo dependem da agricultura para subsistir, mas boa parte das vezes elas não beneficiam dos fundos para a agricultura por questões culturais e fraco acesso a terras e a crédito.
XS
SM
MD
LG