Links de Acesso

AFS - Luísa Rogério: "O aumento da censura é extremamente preocupante"


Luisa Rogério, Sindicato dos Jornalistas de Angola

Luisa Rogério, Sindicato dos Jornalistas de Angola

Para Luísa Rogério existe em Angola uma “liberdade de imprensa a duas velocidades” em que existe uma diversificação de informação enquanto as províncias estão muitas vezes reduzidas a uma única fonte de informação.


A censura em Angola tem vindo a intensificar-se alastrando-se aos meios de informação privados, disse a presidente do Sindicato dos Jornalistas angolanos, Luísa Rogério.

“A censura é uma questão gravíssima que se tem feito instalar com maior intensidade,” disse a sindicalista falando no programa “Angola Fala Só”.

“Hoje em dias expande-se para os privados,” acrescentou Luísa Rogério para quem “ a situação é extremamente preocupante”.

A presidente do sindicato dos jornalistas disse não existe uma censura formal como na era do colonialismo e fascismo com uma comissão de censura a vetar artigos, mas que em muitos órgãos privados o sector administrativo da empresa tem a última palavra sobre a publicação ou não de artigos.

Rogério falou também da situação em que vivem os jornalistas afirmando que “o perigo é palpável”.

Frisou no entanto que os jornalistas não correm perigos “físicos” mas nomeadamente “pressões psicológicas”, notando que muitos jornalistas são forçados a escolher entre o “ o pão para os seus filhos” e os seus princípios deontológicos.

Para Luísa Rogério existe em Angola uma “liberdade de imprensa a duas velocidades” em que existe uma diversificação de informação enquanto as províncias estão muitas vezes reduzidas a uma única fonte de informação que é a radio ou a televisão estatal.

“Portanto não há liberdade de imprensa em Angola porque não há pluralismo,” disse Luísa Rogério para quem é preciso “despartidarizar” os órgãos de informação estatais.
Por outro lado mesmo na capital há uma falta de informação generalizada sobre o que se passa no terreno nas províncias do pais.

“Mesmo as pessoas mais bem informadas não sabem muito sobre o que se passa no interior das províncias,” disse.

Luís Rogério disse que neste momento o seu sindicato está em vias de fazer “um levantamento” sobre a situação salarial dos jornalistas em todo o pais como parte das negociações para um novo contracto colectivo de trabalho.

Esse contracto, disse ela, dever terá dois níveis salarias sendo para as empresas públicas e outro para os meios de informação privados.

A sindicalista disse que as relações do sindicato dos jornalistas com o ministério da comunicação social são “boas”.

“À vezes há colisão”, disse mas na generalidade as relaç~eos são boas.

Clique aqui para ter acesso ao arquivo do programa
XS
SM
MD
LG