Links de Acesso

Afonso Dhlakama em exclusivo: "Morte de Pondeca é uma tragédia, mas a Renamo não vai recuar"

  • André Baptista

Afonso Dhlakama

Afonso Dhlakama

Presidente do principal partido da oposição acusa a Frelimo de executar dirigentes da Renamo.

O líder da Renamo, Afonso Dhlakama, classificou esta quarta-feira, 12, de “tragédia” o assassinato, no sábado 8, de Jeremias Pondeca, membro da comissão mista que negoceia a paz com o Governo e reiterou que, da parte do seu partido, o diálogo vai continuar para devolver a paz aos moçambicanos.

“Aquilo (o assassinato) foi uma tragédia para nós, é triste”, precisou Dhlakama em entrevista exclusiva à VOA nesta quarta-feira, 12.

O presidente do principal partido da oposição descreveu Pondeca como “homem forte” e “homem grande” do partido e reconheceu que, como a família, a Renamo também ressente a sua perda.

Dhlakama lembrou que Jeremias Pondeca foi membro desde a clandestinidade e, além de deputado da Assembleia da Republica pela Renamo, foi membro do Conselho do Estado e exerceu as funções de delegado da cidade de Maputo e do departamento do poder local do partido.

Nos últimos tempos, liderava a delegação da Renamo na comissão mista que negoceia a paz com o Governo.

O líder da oposição, lamentou os frequentes “assassinatos a sangue frio” dos membros da Renamo em quase todo o país, e a impunidade dos executores, a que considerou estarem a coberto do partido no poder e do Governo”.

“Vamos continuar em pé, vamos continuar a lutar para a democracia, para que haja de facto alternância governativa”, reiterou Afonso Dhlakama, sustentando que “queremos trabalhar no sentido de fazer que o regime reforme, e haja uma democracia funcional, haja o estado de direito e democrático”.

Assassinatos para fazer recuar a Renamo

Na entrevista, ele reiterou que “não podemos abandonar as negociações e que não pode ser a atitude ou o comportamento da Renamo que quando acontece uma coisa dentro da casa ia abandonar a luta”.

“Se fosse assim teríamos abandonado a luta pela democracia, já foram assassinados muitos nossos, membros e quadros em Maputo como nas outras províncias, mas a luta sempre continuou”, continuou Dhlakama, que reconhece que as actuais execuções dos membros da Renamo “são claramente para obrigar a Renamo a recuar a sua luta pela democracia”, admitindo que isso “seria um comportamento de cobardia”.

Afonso Dhlakama reafirmou que a “única maneira de agirmos é continuar a lutar até chegarmos ao objectivo de devolvermos a paz e a democracia em Moçambique, onde as instituições da justiça possam funcionar, para responsabilizar os que tem praticado crimes, vamos vingar com a nossa democracia.”

“É preciso que em ambos os lados, quer a Frelimo, quer a Renamo, se entenda que a paz é sagrada para o povo de Moçambique”, sublinhou Afonso Dhlakama, que aguarda o retorno das negociações na próxima segunda-feira, 15.

Bem de saúde e sem problemas de alimentação

Na entrevista via telefone com a VOA, e frente a informações postas a circular que estaria a passar por dificuldades de alimentação, Afonso Dhlakama garantiu que tem a sua situação alimentar controlada nas encostas da Serra da Gorongosa, na provincia de Sofala, centro de Moçambique.

“Não se passou nada”, declarou Dhlakama, adiantando que desde a anterior entrevista à VOA, a 5 de Outubro “até hoje a situação é a mesma. Não houve nada, absolutamente nada, estou bem, e continuo vivendo aqui na região da Gorongosa”.

Notícias postas a circular esta semana, associando as informações ao jornal independenteSavana, indicam que o líder da Renamo estava sem alimentos nem assistência, depois que suas fontes de receitas, incluindo uma mina de turmalinas em Barue, foram encerradas e ocupadas pelas forças estatais em Agosto.

A mesma noticia avançava que helicópteros de comerciantes e de aliados da Renamo pararam de sobrevoar tanto a serra da Gorongosa como o distrito de Báruè, porque o espaço aéreo está sobre controlo, deixando Afonso Dhlakama sem suprimentos e sem espaço de manobras,

Esse cerco, de acordo com observadores, visava “obrigar” o líder da Renamo a cessar imediatamente os ataques militares e ir a Maputo dialogar com o Chefe do Estado, Filipe Nyusi.

Entretanto Francisco Carmona, editor executivo do jornal Savana, reagiu nas redes sociais e disse que não só a notícia era falsa como o site também é falso.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG