Links de Acesso

Dois activistas com cartazes a favor dos activistas detidos

  • Coque Mukuta

Pediam resposta ao pedido de habeas corpus apresentado a favor dos 17 activistas.

Dois activistas angolanos foram detidos na manhã desta segunda-feira, 27, em Luanda, por exibirem cartazes a pedir às autoridades judiciais que se pronunciem sobre o pedido de habeas corpus, entregue ao Tribunal Supremo pelos advogados dos 17 activistas condenados a penas de prisão entre dois anos e três meses a 8 anos e seis meses.

“Até quando o habeas corpus?”, “estamos a espera do habeas corpus”, “para quando o habeas corpus” e “Liberdade aos presos políticos", eram as frases que se podiam nos cartazes exibidos está manhã no centro da capital angolana.

Momentos depois, a polícia nacional, comandada pelo superintendente-chefe Francisco Frank, dispersou vários manifestantes e deteve Hélder dos Santos, e Escoval França, também conhecido por “Viriato da Cruz”.

Ambos foram libertos horas depois.

Apesar da detenção, Viriato da Cruz garantiu que as manifestações espontâneas vão continuar em vários locais do país com o obejctivo de pressionar a libertação dos 17 activistas, presos pelos crimes de rebelião, tentativa de golpe de Estado e associação de malfeitores.

A VOA tentou contactar o superintendente-chefe Francisco Frank, mas sem sucesso.

No entanto, Luis do Nascimento advogado de Osvaldo Caholo, único militar do grupo, acusado de copiar um documento militar considerado confidencial, disse à VOA que ainda não está marcado o julgamento do activista mas pode acontecer a qualquer momento.

O defensor espera não ter as mesmas dificuldades para consultar o processo tal como teve aquando do julgamento dos 17 activistas.

Recorde-se que no sábado, 25, em Luanda, houve um acto de solidariedade a favor de todos os activistas presos em Angola.

XS
SM
MD
LG