Links de Acesso

Kwanza Sul regista falta de sincronizacao com empreiteiros no Kwanza Sul

  • Fernando Caetano

Panorama da cidade de Sumbe na província de Kwanza-Sul

Panorama da cidade de Sumbe na província de Kwanza-Sul

O grupo desdobrou-se em visitas guiadas por diveros sectores, com destaque para os da saúde, educação, obras públicas e sector agrícola.

Composto por mais de 20 elementos afectos ao gabinete do Vice-Presidente da República, o grupo constatou algumas irregularidades no sector da saúde, como a degradação bastante acentuada do Hospital Geral 17 de Setembro, que está arrebentando pelas costuras,uma vez que data dos anos 1950.


No sector comunitário, o PIC PEC da Bumba, uma instituição afecta à Direcção de Assistência e Reinserção Social com a responsabilidade de ensinar às crianças boas maneiras numa espécie de cresce, recebeu nota negativa devido às condições da infra-estrutura.

O grupo atribui responsabilidades à direcção de tutela por falta de sincronização com o empreiteiro.
Na comarca do Sumbe o grupo constatou avanços pese embora haver muito por fazer por parte dos órgãos de justiça, no sentido de serem mais céleres na tramitação de documentos e na administração da justiça.
No sector de educação, apesar da necessidade de aumentar o número de bolseiros, a situação é considerada boa.
Um senão recaíu no sector agro-pecuário e das águas, onde a seca que assola a região de Porto-Amboim se afigura como o grande problema do momento.

Entretanto, apesar de todos esses constrangimentos, o porta voz da camissão diz que o balanço da visita ao Kwanza-Sul é positivo.
O Secretário de Estado para o Ensino Superior João Sebastião Teta apelou os demais a se esforçarem mais para inverter o quadro que considerou preocupante, particularmente visando uma maior sincronização e fiscalização na implementação dos programas e projectos do governo.
Para João Teta, é imperioso realizar um grande esforço de modo a alinhar os projectos e programas ao plano nacional, imprimir maior dinâmica, optimizar os recursos, fazer com que o tempo que vai da concessão à implementação seja aceitável, para que a implementação e utilização racional dos equipamentos sociais se faça de acordo com as boas práticas.
XS
SM
MD
LG