Links de Acesso

Continua braço de ferro entre professores e governo da Huíla

  • Teodoro Albano

João Francisco, Presidente do Sindicato dos Professores na provincia da Huíla, Angola

João Francisco, Presidente do Sindicato dos Professores na provincia da Huíla, Angola

Persiste o braço de ferro entre professores e o governo da província da Huíla relativo ao caderno reivindicativo apresentado pelos primeiros e que já esteve na base de duas manifestações de rua na cidade do Lubango.



Insatisfeito por alguns pontos contidos na resposta do executivo, o sindicato de professores na região, chamou esta terça-feira a imprensa para manifestar discordância aos argumentos evocados pelo sector que tutela educação na província.

Sobre o não pagamento de vários subsídios o governo assegura apenas os de risco e de dedicação exclusiva a par do que acontece noutras províncias. O executivo sustenta haver melhorias consideráveis nas condições de trabalho com o aumento de 1.693 escolas para 1.817 nos últimos quatro anos.

Sobre a monodocência aplicada no quadro da lei de base do sistema de educação em Angola, muito criticada entre os professores, o governo responde dizendo que sempre existiu até a 4ª classe e que a novidade está no alargamento as 5ªs e 6ªs classes. Os constrangimentos merecerão tratamento devido a seu tempo, pode-se ler.

Para o secretário provincial do SINPROF, na Huíla, João Francisco, a monodocência, consequência da reforma educativa, conheceu erros na sua concepção.

“ Na altura de fazer o ante projecto sobre a reforma educativa o professor não foi tido nem achado, ” disse

A actualização da carreira docente fortemente exigida pelos professores, segundo o governo, abrange apenas os agentes de ensino que ostentam categorias anteriores ao actual estatuto. Qualquer ajustamento por via de promoção, pode criar buraco nas contas do estado, refere a resposta do executivo, opinião diferente tem o SINPROF que vai insistir numa proposta concreta.

João Francisco entende que o actual modelo de promoção da azo a corrupção;
“ O governo central por exemplo disponibilizou 5 vagas para os licenciados nos diversos escalões, agora a nível da nossa província nós temos mais que 5 licenciados o que implica, primeiro: abre-se uma porta para a corrupção porque quem vai entrar? Se calhar Aquele que está mais próximo do chefe do outro lado a corrupção vai surgir no sentido de que cada um vai precisar de ascender ao escalão de acordo com a sua categoria ou o tempo de serviço.” disse

Algumas questões o governo local remete as autoridades centrais. Para 20 de Abril está agendada mais uma assembleia provincial de professores de onde se esperam novas formas de reivindicação dos docentes.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG