Links de Acesso

Luanda: Falta de água é negócio da China

  • Manuel José

A falta de água em Luanda pode ser problema para muitos, mas para outros é uma oportunidade de negócio.




E, quando os negociantes de água são imigrantes chineses, a irritação é maior entre aqueles que sentem o problema


"Eles vão buscar água para vender, quando a polícia aparece eles dão uma gasosa," disse Luísa Grilo directora nacional para o ensino geral.

A responsável pelo Ministério da Educacao repudia esta atitude dos cidadãos asiáticos.

"É a água que desviam das condutas, fazem furos ao longo das condutas, para comercializar a água, isto é grave e crime," disse.

"O chinês deve ser contratado para fazer outra coisa, não acho piada nenhuma um estrangeiro vir aqui pra vender água, um meio que podia ser de trabalho para um angolano," disse.

" É muito duro as pessoas comprarem 20 litros de água a 100 Kwanzas,” acrescentou.

A jurista Ana Paula Godinho também se queixou dos "preços proibitivos”, eu afirmando ter comprado água a cisterna a 20 ou 22 mil Kwanzas.

"Tenho muita dificuldade em perceber porque não temos água em Luanda, porque tanta escassez de água?" interrogou.

Já a política Alexandra Simeão, mostrou-se indignada em ver chineses a venderem água.

"O chinês deveria vir para construir e não para vender água, para estar na zunga, nos inertes, eles estão em todos os sítios," disse.

A jurista Godinho só encontra uma razão para escassez de água potável na capital angolana.

"O problema está na ineficaz distribuição da água," acrescentou.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG