Links de Acesso

Confrontos no Huambo entre veteranos e polícia

  • António Capalandanda

Polícia em acção no Bié

Polícia em acção no Bié

Número indeterminado de feridos e pelo menos 11 detenções.Veteranos fizeram refém.

Um número indeterminado de feridos e pelo menos 11 detidos é o resultado de um confronto na cidade do Huambo entre a polícia anti-motim e ex- militares.




Os ex militares tinham aprisionado o presidente da Liga para o Desenvolvimento dos Ex Militares das Forças Armadas Angolanas (LIDEMFAA) durante uma reunião em que este tentava explicar o objecto social da sua associação.

Os tumultos começaram quando um dos membros corpo directivo afirmou que Eduardo dos Santos estava preocupado com a situação dos ex-militares em Angola.

“ Quando chegou o ponto de dizer que o camarada presidente, Eduardo dos Santos estava a fazer tudo para resolver o problema dos ex-militares, então todo povo começou a dizer `não fala mais do gatuno´ e dali começou a confusão,” disse um dos presentes

Os revoltados teriam feito refém por algumas horas o presidente da Liga que foi forçado a abandonar a sala de reunião com empurrões e ameaças de morte.

Depois armados com paus pedras, ferros e catanas, os ex-militares transportaram a pé Nunes até ao palácio do governador do Huambo.

Como não tinham encontrado nenhum interlocutor do governo decidiram leva-lo à Radio Mais para este explicar publicamente o paradeiro do dinheiro das pensões de reforma que os ex-militares dizem não receberem há mais de 15 anos.

A escassos metros da rádio, os manifestantes depararam-se com um forte dispositivo da polícia de intervenção rápida.

Testemunhas disseram a VOA que, a policia recorreu a gás lacrimogénio e balas de borracha e reais para dispersar os manifestantes que arremessavam pedras contra os agentes policiais.

Nunes contou o drama que viveu.

“ Percorremos as ruas do Huambo e a intenção dos insurrectos era para que nós falássemos á Rádio Mais,” disse.

“A forma como estavam a nos tratar era desumana e a polícia fez a intervenção e usou os seus meios apropriados e fomos resgatados das mãos dos descontentes,” acrescentou

Nunes confirmou que altura foram detido 11 ex-militares que deverão ser encaminhados para o ministério público.

Constituída recentemente, um dos objectivos da Associação é realizar programas de sensibilização para uma maior compreensão da problemática dos ex-militares nas comunidades; desenvolver campanhas sobre os direitos e deveres cívicos desta franja da sociedade Angolana.

A organização pretende integrar no seu seio ex-militares da UNITA, MPLA, FNLA e a FLEC.

Os ex-militares consideram que o governo os tem marginalizado e exigem pagamento das suas pensões de reforma e a sua reintegração social.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG