Links de Acesso

Últimos comícios eleitorais no Quénia ensombrados por alegadas ameaças

  • Redacção VOA

A boy enters an house with various campaign posters at the Kangemi slum in Kenya's capital Nairobi, Feb. 28, 2013.

A boy enters an house with various campaign posters at the Kangemi slum in Kenya's capital Nairobi, Feb. 28, 2013.

Raíla Odinga nega ter ameaçado com violência "pior do que a última" se perder as eleições

No Quénia os dois principais candidatos à presidência realizaram Sábado os seus últimos comícios antes das eleições de Segubda-feira.

Os comícios, repletos de eleitores deram-se depois de um desses candidatos, o primeiro ministro Raila Odinga ter sido citado por um jornal britânico como tendo dito que a violência pós eleitoral poderá ser pior do aquela registada em 2007 e 2008 se ele perder por falsificação dos resultados.

Em 2007 mais de mil pessoas morreram em violência étnica após as eleições.
O jornal Financial Times citou Odinga como tendo dito que ele sabe que se está a preparar a falsificação dos resultados e que avisou que a violência poderá ser pior do que no passado.

Odinga negou entretanto ter feitos essas declarações e acusou o jornal de difamação.

O vice-primeiro-ministro e rival de Odinga nas eleições, Uhuru Kenyata descreveu as alegadas declarações de Odinga de perigosas e inflamatórias.

Kenyata ele próprio vai ter que responder perante o Tribunal Penal Internal que o acusou de crimes contra a humanidade por alegada responsabilidade na onda de violência após as últimas eleições. Ele nega as acusações.

O vencedor dessas eleições Mwai Kibaki apelou a uma votação pacífica.

“Votem e mantenham a paz,” disse o presidente Kibaki num discurso televisionado.
“Vamos mostrar ao mundo que a nossa democracia cresceu. Um voto pacífico é um voto para um Quénia seguro, próspero e estável,” acrescentou.

Estas são as primeiras eleições realizadas ao abrigo de uma nova constituição adoptada em 2010 e que visa tentar evitar os confrontos étnicos do passado.

Os dois principais candidatos realizaram os seus comícios em Nairobi.

Um terceiro candidato , o antigo vice presidente Wycliffe Musalia Mudavadi realizou comícios na parte ocidental do Quénia.

O ex presidente de Moçambique, Joaquim Chissano, chefia a missão de observação da União Africana às eleições quenianas
XS
SM
MD
LG