Links de Acesso

Divisões internas abalam UNITA em Cabinda

  • José Manuel

Raul Danda, deputado da UNITA

Raul Danda, deputado da UNITA

Demitido secretário provincial em diferendo sobre inclusão de membros da Ex-Mpalabanda

O secretariado provincial da UNITA em Cabinda está mergulhado numa crise que já levou ao afastamento do seu secretário local, Jose de Gringo Júnior e de outros membros políticos daquele movimento no enclave.

Fontes disseram a Voz de América que a crise instalou-se na sequencia de um suposto enquadramento e nomeação de membros da extinta associação cívica de Cabinda Mpalabanda, aos mais altos cargos do partido por influencias do actual líder parlamentar da Unita, Raul Danda.

Este contudo nega a existência de diferendos.

A inserção de activistas da ex Mpalabanda, segundo alguns membros da UNITA, faz parte de um acordo assinado entre o movimento do galo negro com a sociedade civil cabindense, na véspera das eleições gerais angolanas, no qual se comprometiam como representantes do povo, mobilizar a população a votar pela UNITA, como via para uma possível solução do caso Cabinda.

Esta crise segundo os militantes, iniciou-se na véspera das eleições com a imposição do comité permanente da UNITA de Raul Danda como cabeça de lista em oposição á escolha da maioria dos militantes que elegeu o demitido secretário provincial José de Gringo Júnior, como primeira figura do partido às eleições.

Defendiam os membros do movimento que Raul Danda deveria ter sido proposto como deputado pelo círculo nacional e não pelo círculo provincial em virtude do acordo político ter sido elaborado e assinado entre a sociedade civil e a comissão política do movimento.

Essas reivindicações enfraqueceram a militância do partido em Cabinda tendo o secretariado Geral da UNITA decidido dissolver a direcção do partido em Cabinda e indicado membros da ex Mpalabanda na comissão de gestão do partido.

Os militantes não concordam com a demissão afirmando que não se verificou ao longo do mandato do demitido secretário, situações de desvios de fundos, abuso do poder e atropelo aos estatutos do partido que motivasse tal decisão, muito pelo contrário, defendem alguns partidários, Josè de Gringo Júnior geriu sem meios a organização e outras vezes recebia das mãos de Raul Danda alguns apoios financeiros para custear as despesas do secretariado.

Esta situação defendem os partidários vai mobilizar desmembramento em bloco de militantes do partido e enfraquecer a maior força da oposição em Cabinda na disputa política com o MPLA.

Questionado pela voz de América sobre a situação, Raul Danda desmentiu essas informações afirmando ser normal a movimentação interna dos quadros do partido.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG