Links de Acesso

Guiné-Bissau: PAIGC quer juntar-se a governo de transição

  • Lassana Casamá

Sede do PAIGC em Bissau

Sede do PAIGC em Bissau

Mudança de posição atribuída a pressões internacionais e a risco de isolamento

Numa mudança de posição o PAIGC decidiu juntar-se ao “pacto de transição” e o “Acordo Político” saído do golpe de estado de Abril que o partido havia anteriormente condenado e que resultou na formação de um governo de transição.

Um porta voz do partido, Oscar Barbosa, disse que a decisão do PAIGC será transmitido á Assembleia Nacional Popular e que o partido irá fazer parte do governo de transição devido a pressões da “ comunidade internacional”.

Barbosa indicou que a decisão se deve também ao facto do PAIGC se arriscar a não participar num dialogo entre guineenses que leve ao regresso à ordem constitucional.

“Nós condenamos o golpe de estado mas temos que admitir e aceitar que o dialogo entre guineenses conduz a que obrigatoriamente o PAIGC não possa ser parte contrária ao entendimento nacional e que é necessário para se obter o retorno á constituição,” disse

Barbosa disse que “é a comunidade internacional que entende que é urgente e útil que o PAIGC assuma ou integre um governo de transição porque é o partido maioritário na assembleia e isso é a possibilidade de forma legal abrirmos as janelas para que a comunidade internacional possa dialogar com a Guiné Bissau”.

Desconhece-se

O PAIGC anunciou que vai realizar o seu congresso em Maio.

A decisão segue-se a dois dias de reuniões dos Órgãos internos do partido, durante os quais decidiram assinaram o Pacto de Transição e o Acordo Politico,

Trata-se de um congresso que promete ser muito renhido, em virtude de profundas divergências internas que marcaram e ainda marcam o partido, isto depois de eleições presidenciais de Maio do ano passado e que viria a resultar-se no Golpe de Estado de 12 de Abril.

XS
SM
MD
LG